COBERTURA ESPECIAL - Guerra Informação e Híbrida - Pensamento

26 de Junho, 2018 - 00:30 ( Brasília )

Boni - No Brasil estamos “trancados e sem saída”

Para ex-diretor da Globo, corrupção, políticos que não largam o poder e falta de governabilidade são problemas para os quais nenhum candidato à eleição aponta soluções


José Nêumanne
OESP

 
 “Os três maiores problemas do Brasil são a corrupção, a eleição repetitiva dos mesmos políticos e a falta de governabilidade”, disse José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, Boni, criador, com Walter Clark e Joe Wallach, da maior revolução estética na comunicação de massas no Brasil: o padrão Globo de qualidade. Nesta entrevista, ele expressou a voz da maioria da população brasileira, que conta com a Operação Lava Jato e novas leis contra a roubalheira, causa da maior crise moral, política, social e econômico-financeira da História.

“Dependemos da renovação dos nossos representantes, mas não vejo na lista dos partidos uma quantidade significativa de candidatos novos”, afirmou. Ele também pregou a reforma política para resolver o impasse da governabilidade, lamentando que, para as eleições gerais do fim do ano, “nenhum projeto sólido e confiável foi apresentado por qualquer candidato”. E mais: “pelo que ouço nas ruas, a população está descrente e sem motivação para votar. Parece estar adivinhando que vamos continuar trancados e sem saída.”

Boni nasceu em Osasco (Grande São Paulo) em 1935, filho do dentista Orlando de Oliveira, que tocava cavaquinho no regional de Armandinho, e da jornalista, psicóloga e escritora Kina de Oliveira, que lançou um blog aos 94 anos de idade, enquanto escrevia livros, às vezes simultâneos. Sobrinho de Hermínio, do conjunto vocal Quatro Ases e um Curinga, frequentou desde garoto os bastidores das emissoras de rádio.

Aprendeu a escrever com Dias Gomes e Manuel da Nóbrega. Trabalhou na produção das pioneiras TVs Tupi, Paulista e Excelsior de São Paulo, na agência de publicidade Lintas e na Lynx Filmes, entre outras. Levado pelo americano Joe Wallach, junto com Walter Clark, com quem trabalhava na TV Rio, introduziu na TV Globo o conceito de grade na programação, até hoje usado, e fundou a rede nacional de TV, inaugurada com o Jornal Nacional, eterno campeão de audiência do telejornalismo. Atualmente é dono da TV Vanguarda, afiliada da Globo em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo.

Nêumanne – Durante certo tempo, a Globo, depois de ter adotado o padrão de qualidade da programação que o senhor exigia, teve um monopólio de audiência inédito na história da televisão brasileira e inigualável no resto do mundo. O que esse reinado tem que ver com tal padrão?

Boni– A conquista de um padrão de qualidade foi um trabalho de equipe. O americano Joe Wallach havia sido chamado para recuperar as finanças da falida Globo e pesquisou o mercado brasileiro de profissionais de televisão e nos convidou, a mim e ao Walter Clark, para operar a Globo. A emissora do Rio de Janeiro ocupava o quarto lugar de audiência. A TV Paulista amargava o quinto lugar em São Paulo.

O mercado publicitário aplicava pouca verba em televisão, uma vez que em 1967 não existiam mais que 3 milhões de aparelhos de TV em todo o Brasil. Nos Estados Unidos a televisão havia nascido a partir da poderosa indústria do cinema. Aqui não havia produção e os talentos disponíveis eram raros.  Parecia impossível sobreviver num mercado tão fraco com concorrentes, na época, muito fortes.

Entendemos que não seria suficiente mudar a Globo, e sim que havia necessidades de renovar a televisão brasileira, seu conteúdo, sua gestão e sua comercialização. Com uma equipe de especialistas executamos um projeto amplo e não abrimos mão de uma execução perfeita e com aprimoramento contínuo. Prometemos à Globo que em cinco anos chegaríamos à liderança, mas em apenas três atingimos esse objetivo.

N – Padrão de qualidade não é certamente o forte da administração pública brasileira e até mesmo da gestão em nosso setor privado. Como empresário bem-sucedido em seu ramo de comunicação eletrônica, o senhor se disporia a explicar por que um país que conheceu um sucesso tão avassalador como foi o da Globo só tem piorado em seu desempenho negocial?

B– Pode parecer que as diferenças entre a atividade pública e a atividade privada impeçam uma comparação. Mas, no fundo, são a mesma coisa. Os pilares que sustentam uma administração eficiente são: seriedade, competência, coragem e determinação. Seriedade e competência são fundamentais para a elaboração de um projeto amplo e consequente. Sem projeto não há empresa nem haverá nação.  

Um projeto compreende metas definidas e prazo para atingi-las, e prioridades determinadas com coragem e determinação na execução, de forma a evitar desvios de percurso. No caso do Brasil eu acredito que a ênfase estaria nas prioridades. Não dá para tentar resolver tudo de uma vez, repartindo verbas para contentar a todos. Uma noite, em Brasília, o diretor da Globo Toninho Drummond me convidou para jantar com Ulysses Guimarães, presidente da Assembleia Nacional Constituinte, exatamente quando se elaborava a Constituição de 1988. Perguntei ao dr. Ulysses se o trabalho estava indo bem. Ele me respondeu, literalmente: “O Brasil é o país da demanda. Todos querem puxar a brasa para sua sardinha.  Chegar a um acordo é um desespero.”

N – De uns tempos para cá, as emissoras abertas têm sofrido uma concorrência comercial cerrada dos canais por assinatura e outras modalidades possíveis com a cibernética. Tal como a imprensa e a radiofonia, a televisão comum tem seus dias contados no futuro ou o senhor acredita que há como se adaptar e sobreviver?

B– Imprensa é um mundo em extinção. Depende de papel e transporte para entrega. Vai ter de migrar completamente para a internet. Fazem parte de outro mundo a radiofonia, a  televisão aberta ou por assinatura e a internet. Todas essas plataformas são de um mesmo mundo. São apenas distribuidoras de conteúdo e são complementares entre si.  O que vai determinar quando e como o usuário estará utilizando esse grupo de veículos será o conteúdo.  Com a avalanche e a rapidez das alterações tecnológicas é impossível prever o futuro. Mas uma única coisa é certa: os grandes produtores de conteúdo sobreviverão.

N – O monopólio de audiência produziu riqueza e muito poder para o grupo da família Marinho e seus principais executivos, além de ter distribuído celebridade instantânea a seus funcionários no jornalismo e no entretenimento, influindo muito na produção da cultura. O que a literatura, o teatro, o cinema, a música popular e as artes plásticas  ganharam e perderam com essa influência?

B–  Alberto Madia, presidente da Academia Brasileira de Marketing, autor dos livros mais vendidos sobre o assunto, Prêmio Jabuti de 2006, costuma dizer: “A Globo revolucionou a estética brasileira”. Eu tenho certeza que a Globo deu uma contribuição sem precedentes para o entretenimento, informação, educação e cultura. A literatura ganhou espaço na televisão. Só no meu tempo foram adaptadas e exibidas 282 obras de autores brasileiros e internacionais.  

A produção da Globo influiu na linguagem, na moda, no grafismo e até na propaganda. A Globo, de forma permanente, faz uma intensa cobertura sobre artes plásticas, exposições e eventos dessa natureza.  O Telecurso ensinou o governo a produzir teledidática e formou milhões de alunos.  O teatro  recebe uma promoção diária e rotineira. No cinema tem coproduzido os melhores filmes da atualidade. Inúmeros talentos surgiram nos festivais da Globo e hoje os compositores e cantores brasileiros estão presentes em toda linha de programação.

Jornal Nacional foi o primeiro traço de união entre os brasileiros e a notícia.  As sucursais da Globo por meio dos satélites ligam o Brasil ao mundo.

 N – Esse longo reinado, porém, também produziu, mais do que fastio, certa implicância com o poderio da Vênus Platinada. Lembro-me de que os metalúrgicos liderados por Lula nas greves do ABC já tinham uma palavra de ordem que a agredia: “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Hoje internautas se manifestam com fúria, a ponto de terem criado o neologismo “globolixo”. A que ponto podem chegar essas grosserias, que às vezes produzem até agressões físicas contra jornalistas a trabalho ou invasões de imóveis da empresa?

B– Ninguém chuta um cão morto. Hostilidades e protestos contra quem está em evidência são comuns. O Brizola aproveitou-se dessa oportunidade e tentou jogar seus eleitores contra a Globo. O PT aproveitou-se também e entrou nessa onda. A Globo, ela mesma reconhece que cometeu erros no passado, mas hoje é um exemplo de isenção, mantendo neutralidade e equidistância entre todas as correntes políticas. Devidamente comunicado e de forma transparente, qualquer veículo pode assumir uma posição política.

Foi brilhante e é, até hoje, amplamente aplaudida a atuação do Estadão contra a ditadura Vargas. A tomada de posição de um veículo é um direito, quase um dever. Quanto à internet, todos nós partimos do princípio de que cada um é livre para dizer o que quiser. É bonito, mas perigoso. Sou contra a censura, mas a favor da responsabilidade. É importante limpar a “WEB” e responsabilizar quem cometer abusos. A Europa deu início a esse processo. Todos os países vão ter de encontrar caminhos.

N – Um dos negócios muito atingidos pelo reinado das diversas empresas de comunicação de massas foi o futebol. Em que a transmissão dos jogos em canais específicos todos os dias da semana mudou a indústria do ludopédio e até o comportamento das torcidas?

B– Gostei do ludopédio. Quer dizer que estamos na CML, a Copa do Mundo do Ludopédio? Pois a gente está vendo a força do futebol. É uma atração importante para a televisão. Eu, pessoalmente, sou contra a exibição semanal de futebol no horário nobre. Muitos jogos são desinteressantes e derrubam a audiência da emissora.

Acho que deveriam ficar restritos aos fins de semana, em horários diurnos. O pior é que os jogos são feitos para atender à programação de televisão e os horários tardios vão acabar esvaziando os estádios. Estamos tomando um porre de futebol, não somente na TV, mas com excesso de campeonatos em todo o mundo e a acelerada contratações de jogadores. O torcedor comum já não sabe nem o nome de quem joga no próprio time.

N – O maior negócio do esporte televisado é a Copa do Mundo da Fifa. Como fanático telespectador de futebol, sinto certa indiferença minha e da torcida em geral em relação ao destino da seleção brasileira, embora em nada se tenha alterado, mas, sim, talvez até exacerbado, a paixão “clubística”. O senhor se arriscaria a dar um palpite sobre as causas desse fenômeno? 

B– O fenômeno é político, e não futebolístico. Está todo mundo preocupado com outra coisa: emprego, segurança, saúde e com o futuro em geral. Ninguém se liga nem nas eleições nem no futebol. Há também a lembrança da Copa de 2014. Como diria o Washington Olivetto, o primeiro 7 a 1 a gente nunca esquece. O frustrante empate com a Suíça na estreia da seleção também foi um balde de água fria. Vamos ver o que acontecerá quando o Brasil estiver caminhando melhor.

N – Além de seu ofício, o senhor envolveu-se muito também com os desfiles de escolas de samba no carnaval do Rio de Janeiro. Quais serão, a seu ver, as principais modificações que esse negócio poderá absorver para se manter ou até prosperar como “maior espetáculo da Terra”, principalmente na crise de segurança e violência do Rio?

B–  Temos no Rio um prefeito que, por natureza de sua religião, não é um entusiasta do carnaval. Mas o carnaval dá dinheiro e rende para a prefeitura. Além de ser a maior atividade turística do País, é um expressivo movimento da cultura popular brasileira.  Deveria haver mais investimento no carnaval, mas o que houve foi corte de verbas. Acho que com esse corte a qualidade caiu muito.

Por outro lado, se não houver mudanças no Sambódromo, que foi construído há mais de 30 anos, os desfiles das escolas de samba vão continuar sofrendo desgaste e a festa vai acabar se transformando, simplesmente, em “carnaval de rua”.

Quanto à violência, ela tem se mostrado pouco ativa no carnaval. Está todo mundo envolvido no evento, mas são os sambistas verdadeiros que descem para o asfalto. E é bom lembrar um samba do Wilson das Neves que diz: “O dia em que morro descer e não for carnaval, vai ser o juízo final”.

N – O senhor tem vivido a maior parte de seu tempo dividido entre o Brasil e o exterior, principalmente os Estados Unidos. Que impressões e lições o senhor obteve dessa experiência múltipla? Por que, ainda assim, o senhor não desistiu do Brasil?

B– Viajo bastante, não só para países desenvolvidos, mas para onde também a gente encontra fome e miséria. Países e cidades têm problemas. Mas todos se empenham em encontrar soluções. O Brasil, diante deles, parece um país do faz de conta. Governos, Congresso, instituições se parecem com os equivalentes em países de primeira linha, mas a realidade do nosso país é praticamente deixada de lado.

O Brasil sobrevive porque é grande demais. Vou ficando por aqui. Sou um sonhador por natureza e teimoso por deformação profissional. Quem sabe se a gente vai…? Mas suspeito que só iremos mesmo por acaso e sorte.

N – Como executivo importante de comunicação, o senhor conviveu com os chefões da política e da administração no Brasil. Depois da Lava Jato, combatendo a corrupção, e da falência do populismo assistencialista, que saqueou os cofres da República e produziu a maior crise da História, que saídas o senhor vê para o Brasil neste ano em que um governo desastrado dissemina a desesperança e nenhum dos candidatos à eleição presidencial tem a apresentar algo sólido e confiável à população?

B– O Brasil não tem um grande problema. Tem vários problemas enormes. Eu apontaria três como os mais importantes: a corrupção, a eleição repetitiva dos mesmos políticos e a falta de governabilidade. O combate à corrupção precisa da continuidade da Lava Jato e de  novas leis. Dependemos da renovação dos nossos representantes, mas não vejo na lista dos partidos uma quantidade significativa de candidatos novos.

E a governabilidade? Está aí um dos grandes problemas do Brasil. Entre outras reformas, a reforma política tem de ser discutida com urgência  para que o País possa libertar-se e progredir na velocidade exigida. E a eleição presidencial? Sua observação está corretíssima. Nenhum projeto sólido e confiável foi apresentado por qualquer candidato. Pelo que ouço nas ruas, a população está descrente e sem motivação para votar. Parece estar adivinhando que vamos continuar trancados e sem saída.
 


VEJA MAIS