COBERTURA ESPECIAL - Guerras Híbridas Latinas - Geopolítica

25 de Novembro, 2019 - 09:30 ( Brasília )

GHL - Há interferência indevida de Cuba e Venezuela nas crises sul-americanas

Surgem evidências da participação de agentes dos dois países em protestos no Chile e na Bolívia


Editorial de O Globo
publicado em 25 Novembro 2019




O Chile decidiu expulsar trinta cidadãos de Cuba e nove da Venezuela presos sob a acusação de incitar e participar de violentas manifestações de rua que imobilizam o país há um mês.

A Bolívia expulsou todos os funcionários da Embaixada da Venezuela em La Paz e rompeu relações com o regime ditatorial de Nicolás Maduro. Ao mesmo tempo, anunciou a repatriação de 725 cubanos do programa de assistência médica.

O Equador, também, resolveu encerrar os acordos com Cuba, sobretudo na área médica, que permitiram a residência temporária de 3.565 funcionários cubanos.

Governos desses três países indicaram uma suposta interferência de Caracas e de Havana em assuntos domésticos, durante a convulsão social já controlada no Equador, mas que ainda aflige o Chile e a Bolívia.

Líderes da esquerda nostálgicos da Guerra Fria logo creditaram aos Estados Unidos influência nas iniciativas dos governos do Chile, da Bolívia e do Equador. É inegável a coincidência de tais decisões com os interesses de Donald Trump, que batalha pela reeleição de olho no peso específico do eleitorado conservador latino-americano. Porém, essa visão mais oculta do que explica.

Há evidências sobre a interferência de agentes da Venezuela e de Cuba nos protestos em curso na América do Sul. Embora os objetivos sejam obscuros, a intervenção tem até um porta-voz em Caracas.

Diosdado Cabello, um dos mais influentes personagens do condomínio de poder chavista, há semanas ocupa a rede oficial de televisão e rádio para incitar o avanço daquilo que define como “grande furacão bolivariano” na América do Sul. “Bolívia é a faísca que vai incendiar tudo”, discursou na semana passada.

Oportunismo e fanfarronice têm sido características dos líderes da cleptocracia venezuelana, responsáveis pela tragédia humanitária. A retórica de Cabello sugere autodefesa, pois está acossado por acusações judiciais de envolvimento no narcotráfico e em lavagem de capitais subtraídos do Tesouro de seu país.

À margem das bravatas, sobram fatos como as prisões de venezuelanos e cubanos em Santiago e em La Paz, em atos de violência nas ruas. Não se deve abstrair, também, a detenção na Bolívia de integrante de grupo da narcoguerrilha colombiana, que migrou para a Venezuela sob patrocínio do governo Maduro. Foi flagrado ferido, depois de provocar explosões numa zona urbana.

Esses métodos de interferência externa, indevida, são antigos e conhecidos. A novidade é que começam a ser expostos à luz do dia.

Nota DefesaNet

Recomendamos a leitura do artigo do Gen Ex Pinto Slva

 

Gen Ex Pinto Silva - Estados de Poder de Combate Equiparado ao dos EUA

A capacidade dos Estados Unidos e de seus aliados de defender seus interesses está sendo confrontada com resultados positivos para as ameaças.
DefesAnet 25 Novembro 2019 Link


 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PM

PM

Última atualização 22 JAN, 22:30

MAIS LIDAS

Guerras Híbridas Latinas