COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Inteligência

17 de Junho, 2019 - 23:00 ( Brasília )

Desinformação - Valor ataca: "Cresce desconforto com associação do Exército ao governo Bolsonaro"

O Chefe do Centro de Comunicação Social do Exército, General-de-Divisão Richard Fernandez Nunes, cria uma nova Doutrina "o Militar Limpinho".


 

Andrea Jubé, Carla Araújo e Fernando Exman
Jornal Valor


A nomeação do General-de-Exército Luiz Eduardo Ramos, um quadro da ativa, para a Secretaria de Governo, aumenta a dificuldade do Exército de dissociar sua imagem do governo Jair Bolsonaro. Cresce na caserna o desconforto com a associação automática da instituição ao governo, diante do número expressivo de generais no primeiro e segundo escalão. Embora a maioria esteja na reserva, com a chegada do novo ministro serão dois os oficiais da ativa com assento no Planalto: o general Ramos e o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros.

Nos bastidores, generais da ativa reconhecem que a iminente posse de Ramos - que é general quatro estrelas, no topo da carreira - agravará o cenário de confusão entre governo e instituição. "Será o maior teste para distinguir um do outro", afirma um oficial da ativa ao Valor.

O General-de-Divisão Richard Fernandez Nunes, responsável pelo Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), diz que é um "desafio enorme" descolar a imagem da instituição do governo. Ele explica que a diretriz do comandante do Exército, General-de-Exército Edson Leal Pujol, é conduzir a força como uma "instituição de Estado, coesa e integrada à sociedade". "Todos os esforços devem ser realizados no sentido de fortalecer a imagem do Exército como uma instituição de Estado, ele repete isso", reforça.

Nunes acrescenta que a autonomia das três Forças está consagrada no artigo 142 da Constituição Federal, que as resguarda como "instituições nacionais permanentes e regulares", e que se destinam "à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem". "Essa missão é ponto de honra".

As publicações do general Eduardo Villas Bôas também contribuem para confusão entre as instituições. Recentemente, o ex-comandante do Exército postou em sua conta pessoal no Twitter uma mensagem de apoio ao ministro da Justiça, Sergio Moro. "Momento preocupante o que estamos vivendo, porque dá margem a que a insensatez e o oportunismo tentem esvaziar a operação Lava Jato (sic)", escreveu.

Embora haja uma conversão de pensamentos, Nunes pondera que Villas Bôas não fala pelo Exército. Além disso, como o general está atualmente nomeado como assessor especial do ministro Augusto Heleno no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), falaria por si e pelo governo, completa. Nunes reconhece, entretanto, que depois de dedicar mais de 50 anos de sua biografia ao Exército, quando ele se expressa, é natural que haja uma identificação. "Aquilo que ele pensa foi construído dentro dessa corporação", argumenta.

A confusão entre governo e Exército extrapola a esfera federal. Nunes ressalta que os governos estaduais estão repletos de generais à frente de secretarias estratégicas. Ele relembra que o secretário de Segurança Pública de São Paulo é o general da reserva João Camilo Pires de Campos, e acrescenta que os governos de Minas Gerais e do Paraná repetiram o exemplo.

"Entra a sociologia, temos que estudar isso. Numa visão mais pragmática, se as Forças Armadas têm alta credibilidade, angario capital político me associando à imagem militar", diz. Mas ele afirma que o fenômeno incomoda mais no plano federal, para onde se voltam as atenções. "Ninguém vai criticar um governador por ter um general como secretário de Segurança, mas vai criticar o presidente porque colocou um general neste ou naquele órgão", observa. "Isso realmente está mais adequado ao nosso momento político".

Nunes, que foi secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro durante a intervenção federal, argumenta que a imagem do Exército é tão positiva que durante a campanha eleitoral ninguém criticou as ações da força naquele período. Ao contrário, os políticos queriam tirar fotos com os generais. "A gente fugia de fotos, queriam acoplar a imagem à imagem da instituição".

O comandante Edson Pujol faz um contraponto ao antecessor ao optar pela discrição nas redes sociais - ele não mantém conta pessoal nessas mídias - e pelo discurso interno, com a prioridade de fortalecer a instituição. "Este é um ano que chamamos de pausa operativa, com ênfase para as atividades internas", explica.

Dessa forma, Pujol está percorrendo o país fazendo visitas de inspeção em unidades das cinco regiões. Pujol já visitou o Comando Militar do Norte, na Amazônia, a sede da Operação Acolhida, em Roraima, as obras da BR-116, conduzidas pelo batalhão de engenharia, e escolas militares no Rio de Janeiro. Agora visitará unidades no Nordeste e no Centro-Oeste.

Depois de uma fase de atividades intensas, como as várias operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLOs) no Rio de Janeiro, nos Jogos Olímpicos e em outros Estados, a única ação externa do Exército em andamento é a Operação Acolhida, de acolhimento aos imigrantes venezuelanos que buscam refúgio no Brasil da crise naquele país.

"Estamos num nível de maturidade, não percebo no momento cenários de emprego de GLOs. Os governos estão lutando com dificuldades, mas têm dado conta do recado", diz Nunes. "Com isso, estamos tendo tempo para cuidar da instituição, para treinamento e capacitação dos quadros", complementa. "Os governos passam, o Estado permanece e a instituição".


Nota DefesaNet

Em uma matéria engajada do VALOR contra o governo coloca voz em oficiais-generais não identificados.

O Chefe do Centro de Comunicação Social do Exército, General Richard Fernandez Nunes, cria uma nova Doutrina "o Militar Limpinho".

O Editor


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Cyberwar

Cyberwar

Última atualização 14 OUT, 14:00

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil