COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Pensamento

04 de Março, 2018 - 21:00 ( Brasília )

Comentário Gelio Fregapani - Segurança Pública e Estamos sendo lesados por um governo entreguista


<!--[if gte mso 9]><xml> </xml><![endif]--><!--[if gte mso 9]><xml> Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE </xml><![endif]--><!--[if gte mso 9]><xml> </xml><![endif]--><!--[if gte mso 10]> <style> /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:8.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:107%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri",sans-serif; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} </style>

Assuntos: Segurança Pública e Estamos sendo lesados por um governo entreguista

 

"Na guerra, só dá certo o que é simples."
Napoleão Bonaparte

Não acreditamos que o problema da Segurança Pública possa ser bem equacionado tendo a testa um comunista que propõe o desarmamento e a não resistência, ou seja: o acovardamento, mas não há problema sem solução e como na guerra e em quase tudo os planos mais simples dão os melhores resultados.                     

Vejamos como poderia ser no caso da Segurança Pública pois é necessário pensar e agir. Seguindo o gráfico de Pareto, verificamos o crime que mais afeta o dia a dia do cidadão é o assalto, na rua, no ônibus, nas casas, nas lojas onde a principal motivação é conseguir dinheiro para comprar drogas.

Duas medidas para conter esse tipo de crime saltam aos olhos: uma delas é o porte de armas para as pessoas de bem incentivando a reação. Assim que as vítimas e demais transeuntes comecem a reagir sistematicamente, 90% dos bandidos abandonam a prática, pois não compensará mais. A expectativa da não resistência é que estimula os bandidos mais prudentes, que são a maioria. Bem, não é com esse ministro campeão do acovardamento que isto pode ser feito. Resta-nos apenas especular o inconfessável motivo que o move, já que certa vez, a pedido de um assessor dele, lhe dei alguns ensinamentos sobre o manejo de armas.

A segunda medida envolve drogas: todos sabem que a fraqueza de uma corrente é a do seu elo mais fraco e que a produção das drogas, no estrangeiro, está fora do nosso alcance bem como os cartéis e os grandes traficantes, estes encastelados no próprio Congresso. Os médios e pequenos traficantes são descartáveis, facilmente substituíveis e não adianta prendê-los ou eliminá-los. O único elo que podemos neutralizar é o usuário, taxando-o com pesadas multas ou com trabalhos forçados, se não tiverem como pagar. Prisão simples não resolve nem haveria lugar. Deixemo-la para os transgressores mais perigosos.

Claro que teríamos que mudar a Lei que isenta os usuários de castigo, mas isto é fácil de fazer e teria o apoio e aplauso da população. Haverá quem diga que trabalho forçado é inconstitucional. Ora, se a Constituição não pudesse ser mudada ainda teríamos a escravidão.

É simples assim, mas para programar exigirá lucidez, espírito público e coragem. Talvez exista no ano que vem.

Estamos sendo lesados por um governo que concentrou esforços na delapidação do patrimônio nacional.

O apoio da mídia foi comprado pelas grandes petroleiras para desmoralizar a Petrobrás e o pré-sal. Em 2008 os artigos diziam: “O pré-sal só existe na propaganda do governo e que no mundo isto havia sido pesquisado sem sucesso.” Em 2009, já reconheciam que “O pré-sal existe, mas afirmavam que a Petrobrás não teria tecnologia para retirar petróleo nestas profundidades e que "a Petrobrás precisaria de apoio tecnológico de outras petroleiras". A Petrobrás desenvolveu suas tecnologias sem apoio externo e mostrou ser possível extrair petróleo no pré-sal.” Em 2011 já se reconhecia que a Petrobrás poderia retirar petróleo no pré-sal, mas o custo seria muito alto e que o negócio era economicamente inviável. A Petrobrás ganhou muitos prêmios internacionais e diminuiu o custo de extração a um nível que nenhuma grande petroleira conseguia chegar. Viabilizou o negócio. Evidentemente, este fato criou um pânico na mídia. E agora, o que podem fazer mais?

Greenwald noticiou que houve negociações do governo Temer para entrega do pré-sal e da Petrobrás para o cartel multinacional. Soubemos também pelas conversas de Serra com a Chevron, detalhadas pela Wikileaks. Mais recentemente, foi revelado no jornal “The Guardian” que o lobby montado pela Shell conseguiu leis absurdamente favoráveis ao cartel como a renúncia fiscal de R$ 1 trilhão em 25 anos além da liberação da exigência do conteúdo nacional, matando o desenvolvimento industrial por falta de encomendas e transferindo empregos e renda para o exterior.

A corrupção dos políticos colocados na direção da empresa serve de pretexto para o desmonte da estatal, como se a privatização solucionasse tudo, sem pensar que este governo está desnacionalizando a Petrobras.

Privatizar irracionalmente não significa, necessariamente moralizar, mas certamente significa desnacionalizar e que sem a Petrobras o nosso País não passará de uma potência de terceira classe, pior ainda; as desnacionalizações disfarçadas de privatizações não se limitam à Petrobras mas abrangem grande faixa de empresas estratégicas: já foram privatizadas a Vale e a Embratel e estão na mira a Eletrobrás (hidrelétricas) as estradas, as terras férteis, as matas e muito mais.

Este governo entreguista ainda tem quase um ano para desmanchar o nosso País. Depois...

O capitão Bolsonaro, candidato a presidente, precisa estudar muito bem os seus conceitos sobre privatização e deixar de fora do processo os setores estratégicos do Estado, como geração de energia elétrica, por exemplo. Países desenvolvidos mantém esse setor estatizado. A sanha privatizante do seu assessor de economia tem de ser muito bem controlada, sob pena de nunca sermos um país soberano.

Bolsonaro, como militar, entende muito bem o significado do que é estratégico para o país.

A Jogada Maquiavélica de Temer

Vamos reconhecer, foi uma jogada de mestre o nomear um general para combater a criminalidade no Rio. Com isto adiou a derrota de sua proposta sobre a Previdência Social, desviou a atenção das Forças Armadas indignadas com a desnacionalização dos meios de produção, mostrando que está fazendo algo pela Segurança Pública e que não seria necessário um Bolsonaro para isto, pois de um governo com o Aloysio Alves como chanceler e ministros como Helder Barbalho e Moreira Franco pode-se esperar medidas espertas politicamente. Se não der certo a culpa é do Exército e o Governo não terá nada a perder. Dando mais ou menos certo poderá até faturar politicamente, mas deverá tomar cuidado com a possibilidade de a intervenção ter tal sucesso que se diga "os milicos é que resolvem"

Facilmente o governo evitará que isto aconteça impedindo uma retaguarda jurídica aos militares que dispararem uma arma.

Que Deus nos inspire nas ações que certamente teremos que enfrentar

Gelio Fregapani


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Tecnologia Disruptiva

Tecnologia Disruptiva

Última atualização 16 OUT, 00:28

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil