06 de Fevereiro, 2013 - 18:01 ( Brasília )

Geopolítica

França pede criação de força de paz da ONU no Mali

Chancelaria francesa diz que ainda levará "várias semanas" para decisão ser tomada; Paris confirmou que pretende iniciar retirada das tropas em março

A França pediu nesta quarta-feira ao Conselho de Segurança da ONU que acelere os preparativos para o desdobramento de uma força de manutenção da paz no Mali perante o avanço de suas tropas no país africano. A informação foi confirmada à imprensa pelo embaixador francês nas Nações Unidas, Gérard Araud, que detalhou que o principal órgão de decisão da ONU está discutindo a possibilidade de enviar às zonas em disputa observadores em matéria de direitos humanos.

"É a primeira vez que coloquei esta opção no Conselho de Segurança e o desdobramento dessa força só será possível se as circunstância de segurança permitirem", indicou o diplomata francês. Ao término de uma reunião a portas fechadas do Conselho convocada pela França, o embaixador Araud previu que será preciso esperar "várias semanas" para ver como evolui a situação de segurança no terreno antes de tomar uma decisão.

Por sua parte, o subsecretário-geral da ONU para Operações de Paz, o francês Hervé Ladsous, declarou hoje que a opção de desdobrar uma missão de "boinas azuis" no Mali está nas mãos do Conselho de Segurança. O chefe dos "boinas azuis" lembrou que a União Africana e a Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (Cedeao) já se manifestaram nessa direção, da mesma forma que alguns países do Conselho de Segurança.

"Acho que há um claro desejo da comunidade internacional que é preciso fazer o que for preciso fazer para resolver a crise no Mali", acrescentou Ladsus, destacando que agora é preciso estabilizar o país e recuperar o império da lei. Em sua última resolução de dezembro passado, o Conselho de Segurança tinha previsto inicialmente o desdobramento de uma força internacional africana, depois a refundação do Exército malinês e, por último, a restauração da integridade do país.

No entanto, a intervenção francesa perante o avanço dos grupos islâmicos rumo ao sul modificou os planos já que a rápida desintegração dos rebeldes deixou as tropas de Paris a ponto de recuperar todas as cidades do norte do Mali. Por essa razão, o Governo francês propõe agora que se ponha fim à força internacional africana uma vez que esteja controlada a situação de segurança e abrir passagem ao desdobramento de uma força de manutenção da paz.

O presidente francês, François Hollande, confirmou hoje que em março se iniciará uma redução de suas tropas no Mali, conforme se sigam desdobrando os militares de outros países africanos e avançando o programa de instrução do Exército malinês.