10 de Outubro, 2012 - 16:17 ( Brasília )

Geopolítica

Tambores de Guerra - Estados Unidos enviam militares para a fronteira entre Síria e Jordânia

Rei jordaniano pediu ajuda a Washington para lidar com o enorme fluxo de refugiados que ingressam no país

No momento em que tropas do regime de Bashar al Assad ameaçam empregar armas químicas para combater a oposição armada da Síria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos enviou secretamente à Jordânia um grupo de mais de 150 técnicos e estrategistas para auxiliar o país a lidar com um possível aumento do fluxo de refugiados.

Estima-se que mais de 180 mil sírios tenham cruzado a fronteira entre os dois países para fugir da guerra civil. Oficiais responsáveis pela operação esclareceram ao jornal The New York Times que a missão pretende evitar o tipo de conflito que existe hoje entre Síria e Turquia, outro grande destino dos refugiados. Há planos de apoio logístico para a implementação de uma zona desmilitarizada na Jordânia.

O governo Obama se recusa a intervir na questão síria e ao longo da maior parte do conflito se limitou a fornecer equipamentos de comunicação e armas não letais para as forças opositoras. A base de treinamento norte-americana está situada, contudo, a menos de 60 quilômetros da fronteira síria, ao lado da cidade de Amman, na Jordânia. O Comando Central do Pentágono e o porta-voz da embaixada da Jordânia em Washington disseram ao New York Times que, no momento, não comentarão sobre o assunto.

A missão norte-americana na Jordânia já existe desde maio, quando Washington organizou um exercício de treinamento para cerca de 12 mil tropas de 19 diferentes países. Logo após a operação, um pequeno contingente do país permaneceu em território jordaniano, para mais uma série de treinamentos nos arredores de Amman. Participaram do programa especialistas em comunicação e logística. Um oficial da secretaria de População, Refugiados e Migração do Departamento de Estado também estava presente na ocasião.

No último mês de agosto, o secretário de Defesa Leon Panetta viajou para Amman, aonde se reuniu com o rei Abdullah II da Jordânia. Na ocasião, o monarca pediu que os EUA continuassem ajudando seu país a lidar com o intenso fluxo de refugiados sírios. Em setembro, o rei se encontrou mais uma vez com uma autoridade militar norte-americana em Amman, desta vez o general James Mattis, chefe do Comando Central do Pentágono.

O número de sírios que atravessava a fronteira com a Jordânia atingiu a marca de três mil por dia em meados de setembro. No entanto, as forças de Bashar al Assad consolidaram suas tropas na região sul do país e as cifras caíram para a marca de poucas centenas. De acordo com as Nações Unidas, a Jordânia abriga hoje por volta de 100 mil refugiados sírios. Autoridades norte-americanas discordam desses dados e alegam que o número de sírios (registrados ou não) pode ser quase o dobro.