20 de Agosto, 2012 - 10:40 ( Brasília )

Geopolítica

Tambores de Guerra - Ataques verbais acirram tensão entre Irã e Israel

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, critica palavras da liderança em Teerã. Presidente do Irã chamou Israel de "tumor canceroso". Tensão aumenta após mídia israelense dizer que Israel pode atacar Irã ainda este ano.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, criticou duramente os recentes ataques verbais da liderança iraniana contra Israel. Nesta sexta-feira (17/08), Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, chamou Israel de "tumor canceroso", que logo desaparecerá. Dois dias antes, o líder espiritual do Irã, aiatolá Ali Khamenei, havia definido Israel como uma "excrescência artificial sionista".

"Ban condena essas declarações ofensivas e incendiárias", diz um comunicado divulgado por seu gabinete nesta sexta-feira. O texto pede também que todas as lideranças da região colaborem para diminuir as tensões entre as nações e evitar um agravamento da situação.

Neste sábado (18/08), um comandante iraniano de alta patente saudou um possível ataque aéreo israelense contra instalações nucleares do país. O general Amir Ali Hadschisadeh, afirmou que isso daria a seu país um motivo de retaliação contra Israel, "para se livrar para sempre" daquele Estado, informou a agência de notícias oficial Irna.

Segundo Hadschisadeh, comandante da Força Aérea da Guarda Revolucionária, no caso de um ataque de Israel, o Irã reagirá de forma "rápida, determinada e destrutiva".

Protesto contra Israel
 

Nesta sexta-feira, milhares de iranianos gritaram palavras de ordem como "morte à América, morte a Israel", em protestos organizados pelo governo iraniano. O presidente Mahmoud Ahmadinejad disse, em um discurso para os manifestantes, que não havia lugar para um Estado judaico no futuro do Oriente Médio.

Os ataques verbais ocorreram depois de a mídia israelense divulgar notícias de que Israel poderia lançar ataques contra instalações nucleares iranianas antes das eleições presidenciais norte-americanas, em novembro. O Ocidente suspeita que o Irã esteja trabalhando secretamente na produção de armas nucleares, o que Teerã nega.

Ataque ao Irã

O chefe do partido israelense Kadima, Shaul Mofaz, também se envolveu no debate, afirmando que um possível ataque contra o Irã não teria chance de sucesso sem o apoio dos EUA. Um esforço isolado das forças israelenses contribuiria, na opinião dele, somente para atrasar as ambições nucleares do Irã e resultaria em "desastre". O partido Kadima saiu em julho passado da coalizão de governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Segundo o ex-chefe da inteligência militar israelense Amos Jadlin, Barack Obama deve reforçar num discurso no Parlamento israelense sua rejeição a um Irã munido de armas atômicas.

"O presidente dos EUA deve visitar Israel e assegurar a seus líderes e, ainda mais importante, ao seu povo que é do interesse dos EUA impedir que o Irã tenha armas nucleares e que ele usará meios militares para isso, se necessário", escreveu Jadlin na edição deste sábado do jornalWashington Post.

Na opinião do israelense, somente assim Obama conseguirá tirar das autoridades israelenses o temor de que sejam abandonadas pelos EUA após renunciarem a uma ação militar contra o Irã. 

Os sociais-democratas alemães são a favor de que Berlim interceda junto à liderança de Israel com relação às ameaças de um ataque ao Irã. A chanceler federal Angela Merkel deve deixar claro, assim como os Estados Unidos, que um ataque teria consequências fatais e incontroláveis para toda a região, ressaltou o assessor para política externa do partido SPD, Rolf Mützenich.

MD/dpa/dapd/afp/rtr
Revisão: Luisa Frey