19 de Julho, 2012 - 09:03 ( Brasília )

Geopolítica

Terror - Explosão em Burgas faz agravar situação no Médio Oriente

A informação sobre os russos feridos na sequência da explosão do ônibus com turistas israelenses em Burgas não passa de uma provocação ou um erro, anunciou uma fonte oficial do Consulado da FR em Varna.

Segundo dados anteriores, o atentado anti-israelita podia causar ferimentos em dois cidadãos russos que supostamente se encontravam num carro estacionado ao pé da camioneta alvejada por um bombista suicida.

Como se sabe, a explosão ocorrida ontem no aeroporto de Burgas, cidade balneária popular entre israelenses, ceifou a vida de oito pessoas. Ao todo, na camioneta seguiam 40 turistas e um condutor que sobreviveu e foi internado num hospital. A assistência médica foi prestada a 18 feridos, quatro dos quais continuam em estado crítico. O hospital que albergou os turistas israelitas feridos está a ser cercado por cordões policiais reforçados.

Enquanto isso, o ministro búlgaro do Interior, Tsvetan Tsvetanov, declarou que a explosão foi levada a cabo por um terrorista suicida que tinha uma carta de condução falsa dos EUA.

O presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu ajudar a Bulgária e Israel na busca de autores do crime. Lamentou que os cidadãos de Israel tivessem sido novamente alvo de mais um ataque terrorista, confirmando a disponibilidade de garantir a segurança do seu aliado no Médio Oriente.

O governo de Israel atribuiu a responsabilidade pelo atentado bombista ao Irã. Todas as pistas levam ao Irã, anunciou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, frisando que, nos últimos meses, o Irã tem tentado alvejar israelenses na Tailândia, Índia, Geórgia, Quênia, Chipre e outros países. Com isso, ameaçou com medidas adequadas de represália viradas contra os atos de terror perpetrados pelo Irã. O ministro da Defesa, Ehud Barak admitiu, por seu turno, que o atentado bombista tivesse sido cometido por uma série de autores - a organização libanesa Hezbollah, o movimento palestiniano Hamas ou o Jihad Islâmico.

Em entrevista à Voz da Rússia, o perito israelense, Alexander Eterman, disse serem prematuras as acusações lançadas neste contexto ao Irã. Ninguém, adiantou, estabeleceu que tipo de explosivo fosse utilizado, nem identificou o criminoso suicida. Há varias questões em aberto, salientou.

"Israel envia sete juízes de instrução para Bulgária. Seria mais razoável refletir e falar da autoria do hediondo crime daqui a um ou dois dias. Todavia, tudo indica que as acusações foram feitas no sentido certo. A organização Hezbollah desde há muito quer ajustar contas com Israel, por isso não podia perder tal oportunidade. No entanto, devemos estar preparados para qualquer cenário".

Os autores e organizadores do crime devem ser encontrados e penalizados conforme exige a legislação, aponta uma nota do Ministério das Relações Exteriores da Rússia emitida por motivo da explosão em Bourgas. Moscou condena o atentado bombista que visou as pessoas inocentes entre as quais mulheres e crianças.