15 de Abril, 2012 - 15:40 ( Brasília )

Geopolítica

Comentário Gelio Fregapani - Visita da Presidente Dilma aos EUA e Notícias diversas.


Assuntos: Visita da Presidente Dilma aos EUA e
Notícias diversas.

 

Estratégia – A visita presidencial aos EUA. -  Deduções

A principal meta na visita seria talvez obter o apoio de Obama para nossa inclusão no Conselho de Segurança da ONU, como membro permanente.   Meta quase impossível.
    
Os EUA, desde Geisel, nos consideram rivais (exceto quem sabe no governo FHC) e se esforçam por nos prejudicar. Desarmado e sem armas nucleares, o Brasil é o único país dos BRICs que não é respeitado, por mais que necessitem de nossos recursos naturais, Ao visitarem aos EUA, os líderes da Índia e da China são recebidos com grandes honrarias. A Rússia, ainda que seja uma inimiga em potencia, sendo herdeira do armamento da União Soviética continuará sempre respeitada. Ao Brasil é evitado até uma “visita de Estado”, e  quando não é exigido a retirada dos sapatos na alfândega.
     
Isto todo o mundo sabe. O que chama atenção é a cara de pau de inventarem que lideramosum grupo de países que pressionam os EUA no sentido do monopólio nuclear. Chegam a sugerir que o Brasil dê o “exemplo”, de boa conduta e acabe, por livre e espontânea vontade com o enriquecimento de urânio, ficando eternamente na dependência.
    
E quanto aos EUA, quais seus objetivos? – Certamente o acesso ao petróleo do Pré Sal. Ainda que em outra linguagem, a mensagem dos EUA deve ter sido com o seguinte teor: “Vou precisar de petróleo para manter meu way of life e para defender meus interesses. Não quero ficar dependente de países hostis como a Venezuela e alguns do Oriente Médio. Já que vocês descobriram grandes jazidas podemos fazer um acordo: aceitem participação de nossas empresas na produção e vendam o excedente para nós. Nesse caso se despreocupem que nós até poderemos proteger as suas plataformas contra um eventual inimigo. Entretanto se os seus interesses colidirem com os meus, tenho meios de feri-lo e os usarei p ara que meus interesses predominem. Lembre-se que não reconheço o direito brasileiro além das 200 milhas, mas gostaria que chegássemos a um acordo aceitável para ambos, pois o ataque ao Irã é quase inevitável e ninguém sabe o vulto que pode tomar.
     
Provavelmente Obama não verbalizou esta ameaça final, tal como Roosevelt não o fizera para conseguir instalar as bases no Nordeste, na II Guerra Mundial, mas esta carta continua na manga, por enquanto.
     
Acordos podem até serem bons para nós; entretanto devemos permanecer atentos; - como seriam feitos os pagamentos? -Em dólares? Essa moeda está próxima de seus estertores. Em obras de infra estrutura? Isto acabaria com as construtoras nacionais. Em tecnologia? Isto sim, poderia interessar, desde que bem selecionada.
     
È bom lembrar que esses acordos serão impostos com mais ou menos vantagens em função da capacidade do Brasil de defender as plataformas , ou da disposição de explodi-las se atacado. Mesmo disposto a explodir as plataformas, será impossível, enquanto uma firma americana continuar a ser encarregada da segurança da Petrobrás.

Quanto a aspiração à vaga permanente no Conselho de Segurança, é apenas uma vaidade tola, pois seria sem poder de veto
 
Notícias diversas

Temendo o pior, parlamentares do governo e da oposição procuram engessar poderes de investigação da CPI do Cachoeira.  O ex-ministro da Justiça Thomaz Bastos, advogado de  Cachoeira, pediu abertura de inquérito policial para apurar o responsável pelo vazamento das conversas telefônicas de seu cliente. Diz a imprensa que a verdadeira missão de Thomaz seria convencer o Cachoeira a manter a boca fechada. Se um contraventor de Goiás causa tanta preocupação, imaginemos o que causariam os contraventores do Rio e de São Paulo.
      
Há quase certeza de que novo terremoto atingirá Fukushima
e que os efeitos da radiação atingirão os EUA a partir da costa leste. Um dos cientistas anuncia que evacuará sua família para o Hemisfério Sul. Para quem não sabe, as correntes aéreas dos dois hemisférios não se intercambiam nem se misturam. O nosso Hemisfério não seria atingido por um acidente nuclear ao Norte.
      A pronta adesão de FHC à Agenda Verde não surpreende; Ordens superiores. Sempre que houver alguma organização ou movimento contra o Brasil, é bom procurar as digitais do ex-presidente.
      Morreu sexta-feira em um acidente de aviãoum dos dirigentes do grupo Camargo Corrêa, que constrói a hidrelétrica do Jirau. Ainda que possa realmente ter sido um acidente, a oposição terrorista às hidrelétricas, faz pensar que possa ser um acidente provocado, tal como do Octavio Lacombe da Paranapanema, morto, supostamente, para que fracaçasse a exploração das jazidas do Pitinga, que ameaçava quebrar o cartel internacional do estanho. O jogo é bruto!
    
As Chefias na Inteligência
a) Nomeado em S. Paulo o Del. Mauro Marcelo,para a Chefia da Inteligencia Estadual . Parabéns. Foi um bom Diretor Geral da Abin, exonerado por defender os seus subordinados.
b)Em audiência pública na Comissão de Defesa, Marcio Buzanelli, também ex Diretor Geral, demonstrou superiores conhecimentos sobre Serviços Secretos, principalmente sobre terrorismo. Impressionou vivamente aos ouvintes. É inevitável a comparação com o amorfo atual Diretor Geral.
     
Zé Dirceu- No geral, as medidas do governo Dilma têm encontrado boa recepção na opinião pública e até na imprensa. Os piores inimigos são Dirceu e sua turma, que não se conformam e se esforçam para sabotar, não só a administração de seu partido como aos interesses da Pátria.
     
Um Ovo de serpente
– A ex ministra do atraso – Marina Silva tenta atrair para um novo partido dois dos parlamentares mais respeitados por conduta ética:o senador Simon e o deputado Reguffe. Esperemos que não aceitem sem ouvir as acusações de corrupção, feitas pelo então deputado Aldo Rebelo. Independente da corrupção, Marina já prejudicou muito o progresso do País. Parece que nem o partido dela a quer.
      
Acabou a valentia (e os esculachos).
  Foi só divulgar os nomes e endereços dos principais baderneiros do esculacho na porta do Clube Militar para que os “bravos combatentes da vingança” perdessem a coragem e passassem a temer o esbarrar com algum deles. Era óbvio que os respeitáveis anciãos de 80 anos não reagiriam a murros. Foi notável o autocontrole deles, para conseguir suportar as cusparadas sem usar as armas, que legalmente portavam. Sabiam que os organizadores ansiavam por uma vítima.

Emblemático foi o não aparecerem os baderneiros na manifestação dos paraquedistas. Acredito que o motivo teria sido falta de quem aceitasse ir lá pois sabiam que levariam porrada. Entretanto, essas manifestações e esculachos em nada ajudam a necessária união nacional. Melhor que não existissem.

Mais uma Boa Notícia - a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 215), na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, aponta para que o País possa recuperar a soberania plena sobre o Território Nacional, atualmente, compartilhada com o movimento ambientalista-indigenista internacional.

A Proposta transfere do Executivo para o Congresso  a atribuição de  demarcar as terras indígenas e ratificar as já existentes. O Executivo tem se mostrado  suscetível a  pressões externas, como  nas reservas Ianomâmi e Raposa-Serra do Sol, em que Collor, FHC e Lula se submeteram as  pressões estrangeiras. É certo que o Congresso, mesmo com todas suas mazelas, seja mais difícil de ser pressionado.
Diante da derrota, as ONGs indigenistas, normalmente estrangeiras, pretendem radicalizar o movimento, inclusive recorrendo a ameaças. Deixam cair a  mascara.
 
Que Deus guarde a todos vocês
Gelio Fregapani