23 de Março, 2012 - 10:45 ( Brasília )

Geopolítica

França questiona eficácia da ação policial que resultou na morte de Mohamed Merah

Passado o primeiro dia após a morte de Mohamed Merah, o responsável pelos ataques no sul da França que resultou na morte de sete pessoas, a França começa a se interrogar sobre a eficácia da operação do RAID, a unidade de elite da polícia francesa.

Por que esperar 30 horas para agir? Por que os policiais não conseguiram invadir a residência de Merah logo na primeira tentativa? Como é possível que a melhor unidade da polícia não tenha conseguido apreender um homem sozinho? Essas são as perguntas lançadas na manhã desta sexta-feira por especialistas e a imprensa francesa.

O fundador do Grupo de Intervenção da Polícia Nacional, uma unidade concorrente do RAID, Christian Prouteau acredita que a operação não tinha um esquema tático preciso e favoreceu a resistência de Merah. Para ele, ao invés de utilizar bombas de gás lacrimogênio, a opção do intenso bombardeio reforçou a tensão e incitou o atirador a enfrentar a polícia.

Em plena campanha eleitoral na França, a oposição ao presidente Nicolas Sarkozy também lançou críticas à operação. O candidato socialista François Hollande, declarou durante seu comício ontem em Aurrillac, na mesma região dos ataques, que as operações de monitoramento de Merah foram falhas. O suspeito estava sendo vigiado pelas autoridades francesas após ter passado por treinamentos no Afeganistão e no Paquistão.

O promotor de Paris, François Molins, defendeu a ação do RAID, dizendo que foi feito o máximo para apreender Merah vivo e só atacá-lo se fosse em legítima defesa, como foi o caso. Já o advogado do suspeito, Christian Etelin, a morte dele é o resultado lógico da estratégia adotada pela polícia. Segundo Etelin, nada foi feito para que um verdadeiro diálogo fosse promovido entre polícia e o atirador.

A favor de Sarkozy

Os trágicos acontecimentos de Toulouse estão reforçando a campanha do candidato-presidente Nicolas Sarkozy. Uma pesquisa eleitoral realizada pelo CSA mostrou que o líder francês venceria no primeiro turno das presidenciais francesas com 30% das intenções de voto contra 28% de seu principal rival, o socialista François Hollande. Esta foi a primeira pesquisa de opinião realizada após os ataques no sul da França e reflete o papel adotado por Sarkozy como o "chefe-protetor" do país.

Assuntos como a segurança nacional, terrorismo, controle das fronteiras e a imigração - tradicionais da direita francesa - foram os principais pontos abordados pelo líder francês nesses últimos dias. O candidato-presidente também anunciou ontem o reforço do arsenal penal destinado a lutar contra a apologia ao terrorismo, como a restrição ao acesso a determinados sites na internet.