19 de Março, 2012 - 11:02 ( Brasília )

Geopolítica

Comércio mundial de armas cresceu 24 por cento nos últimos 5 anos, aponta estudo

O comércio internacional de armas aumentou substancialmente nos últimos cinco anos, segundo um relatório divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisas para a Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês).

De acordo com o levantamento, o comércio de armas aumentou 24% entre 2007 e 2011, sobretudo por conta da militarização empreendida pelos países asiáticos.

Os Estados Unidos permanecem como o maior exportador mundial, seguido de Rússia, Alemanha, França e Grã-Bretanha.

A Índia se tornou o maior importador de armas do mundo, seguida de Coreia do Sul, Paquistão, China e Cingapura.

Segundo os autores do estudo, a Índia ultrapassou a China como maior comprador graças em grande parte ao fato de que a indústria bélica chinesa cresceu muito nos últimos cinco anos.

As armas compradas pelos indianos representaram 10% do comércio mundial no período analisado.

O relatório dá assim um novo sinal da corrida armamentista na Ásia. Um estudo também divulgado neste mês por um centro de estudos de Londres indicava que os gastos militares asiáticos superarão os europeus pela primeira vez em 2012.

Stephanie Blencker, da Sipri, afirmou que a China está a ponto de entrar no grupo dos cinco maiores vendedores de armas do mundo, sobretudo por conta de suas vendas ao Paquistão.

Mas seus motivos não são puramente financeiros, segundo ela. A China teria também como objetivo, ao elevar suas exportações de armas, aumentar sua influência.

Porém Blenckner observa que a diferença entre a quantidade de armas vendidas pelos Estados Unidos e pela China ainda é muito grande.

Primavera Árabe

O relatório também mostra que as vendas de armas aos países protagonistas da Primavera Árabe não mudaram substancialmente no último ano.

Apesar de os Estados Unidos terem revisado em 2011 suas políticas de comércio de armas para a região, continuam sendo o maior fornecedor à Tunísia e ao Egito.

Os Estados Unidos venderam 45 tanques ao Egito no ano passado, e prometeram ao governo egípcio mais cem.

A Rússia, por sua vez, vendeu no ano passado a maior parte dos armamentos comprados pela Síria, incluindo aviões de combate e um sistema de mísseis.

O Sipri explica que os questionamentos éticos de exportar armas a países instáveis têm um impacto limitado.

A compra de armamentos não está necessariamente ligada à existência de ameaças externas, segundo o centro de estudos sueco.

Alguns países as compram simplesmente para aumentar seu prestígio internacional.

Mas a capacidade de pagar por elas segue sendo um fator importante, como aponta o jornalista da BBC John McManus. Ele destaca que as importações de armas pela Grécia vinham caindo progressivamente ao longo da última década, até zerarem totalmente no ano passado.