13 de Março, 2012 - 09:04 ( Brasília )

Geopolítica

Morales: EUA usam luta antidrogas como ferramenta geopolítica


O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta segunda-feira durante uma entrevista coletiva em Viena, na Áustria, que os Estados Unidos utilizam a luta contra as drogas como uma ferramenta "geopolítica". "Infelizmente, os EUA usam a luta contra o narcotráfico a partir de um ponto de vista geopolítico, por interesses geopolíticos", disse o presidente ao ser perguntado sobre um recente relatório do Departamento de Estado americano que afirmou que a política antidrogas de La Paz tinha fracassado.

Morales reclamou que o "Departamento de Estado americano sempre desqualifica os avanços na luta contra o narcotráfico". Já as Nações Unidas, ressaltou o chefe de estado, "reconhecem os avanços na luta contra o narcotráfico e a redução da área de cultivo de coca". Morales disse que o Departamento Americano Antidroga (DEA) foi expulso da Bolívia pois tentava influenciar a política interna do país.

O presidente disse que o DEA operava no país apenas para perseguir "políticos e dirigentes sindicais antiimperialistas. Por isso expulsamos a DEA". Morales denunciou que os países antiimperialistas da América Latina são acusados pelos EUA de serem terroristas, autoritários e de abrigarem narcotraficantes.

O líder boliviano discursou hoje na Comissão de Entorpecentes da ONU para solicitar a descriminalização em seu país da folha de coca para usos tradicionais e medicinais, ao mesmo tempo em que reafirmou a luta da Bolívia contra o narcotráfico. Evo Morales voltará para La Paz na noite desta segunda-feira, após uma ampla agenda em Viena, que inclui uma reunião com o presidente da Áustria, Heinz Fischer. A Bolívia é o terceiro maior produtor de coca do mundo, após a Colômbia e o Peru, com 31 mil hectares de área cultivada, dos quais 12 mil são áreas legais destinadas ao uso tradicional.