28 de Fevereiro, 2012 - 08:17 ( Brasília )

Geopolítica

Dominó Árabe - Brasil rejeita entrega de armas à oposição síria, diz ministra


O Brasil rejeita a entrega de armas à oposição síria e recusa uma intervenção militar estrangeira por considerar que qualquer uma das ações reforçará o conflito bélico e não resolverá a crise política no país.

A opinião foi expressada pela ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário Nunes, em declarações a jornalistas após discursar em reunião de alto nível da 19ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"O Brasil se posiciona contra a entrega de armas seja a quem seja. O Brasil condena ações armadas de qualquer lado, não aceitamos ações armadas", ressaltou a ministra. "Precisamos que toda perspectiva imediata de ações bélicas seja revista, estas têm significados nefastos para a população civil e não contribuem à reafirmação democrática de nenhum país", acrescentou.

Maria do Rosário rejeitou a opinião de alguns países, como a Arábia Saudita, sobre a necessidade de entregar armas à oposição síria para que possa defender-se da repressão exercida pelo regime de Bashar al-Assad.

"A ideia da Arábia Saudita de armar à oposição não é uma boa ideia, a excelente ideia é que a política e a diplomacia ocupem o lugar do confronto", declarou a ministra, que defendeu o diálogo como resposta à repressão. "A postura do Brasil é vanguardista, é a defesa da paz, mais paz e menos reação armada a estruturas armadas. Nossa posição é coerente com nossa história", ressaltou, defendendo o conceito da "responsabilidade de proteger", já expressado pela presidente Dilma Rousseff na Assembleia Geral da ONU.

Além disso, a ministra deixou claro que o governo de Dilma está diametralmente oposto a qualquer intervenção militar na Síria. "Devemos lembrar que devemos proteger protegendo. As ações militares sempre têm um elevado custo humano. Quando enfrentamos uma crise, a comunidade internacional deveria evitar agravar as tensões e a violência", ponderou. "A ênfase deveria ser colocada na diplomacia e na resolução de conflitos. O uso da força deveria ser apenas excepcional e não deveria causar mais dano do que pretende evitar", concluiu.

Damasco de Assad desafia oposição, Primavera e Ocidente

Após derrubar os governos de Tunísia e Egito e de sobreviver a uma guerra na Líbia, a Primavera Árabe vive na Síria um de seus episódios mais complexos. Foi em meados do primeiro semestre de 2011 que sírios começaram a sair às ruas para pedir reformas políticas e mesmo a renúncia do presidente Bashar al-Assad, mas, aos poucos, os protestos começaram a ser desafiados por uma repressão crescente que coloca em xeque tanto o governo de Damasco como a própria situação da oposição da Síria.

A partir junho de 2011, a situação síria, mais sinuosa e fechada que as de Tunísia e Egito, começou a ficar exposta. Crise de refugiados na Turquia e ataques às embaixadas dos EUA e França em Damasco expandiram a repercussão e o tom das críticas do Ocidente. Em agosto a situação mudou de perspectiva e, após a Turquia tomar posição, os vizinhos romperam o silêncio.

A Liga Árabe, principal representação das nações árabes, manifestou-se sobre a crise e posteriormente decidiu pela suspensão da Síria do grupo, aumentando ainda mais a pressão ocidental, ancorada pela ONU.

Mas Damasco resiste. Observadores árabes foram enviados ao país para investigar o massacre de opositores - já organizados e dispondo de um exército composto por desertores das forças de Assad -, sem surtir efeito. No início de fevereiro de 2012, quando completavam-se 30 anos do massacre de Hama, o as forças de Assad investiram contra Homs, reduto da oposição.

Pouco depois, a ONU preparou um plano que negociava a saída pacífica de Assad, mas Rússia e China vetaram a resolução, frustrando qualquer chance de intervenção, que já era complicada. A ONU estima que pelo menos 5 mil pessoas já tenham morrido na Síria.