24 de Janeiro, 2012 - 13:02 ( Brasília )

Geopolítica

Turquia não ficará em silêncio se Iraque iniciar conflito sectário


O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu nesta terça-feira as autoridades iraquianas que a Turquia não permanecerá silenciosa se ocorrer um conflito sectário no Iraque, depois de Bagdá acusar recentemente Ancara de interferir em seus assuntos internos.

"O primeiro-ministro iraquiano (Nuri al) Maliki deve entender isso: caso tenha início um processo de confrontos no Iraque sob a forma de um conflito sectário, não é possível que fiquemos em silêncio", declarou Erdogan em um discurso perante os deputados de seu partido em Ancara.

Recep Tayyip Erdogan de "racista" lei francesa sobre genocídio

O primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, qualificou nesta terça-feira como "discriminatória e racista" uma lei aprovada na segunda-feira pelo Parlamento francês tornando ilegal negar que a matança de armênios pelos turcos-otomanos, há quase um século, se tratou de um genocídio.

Edogan disse que a Turquia vai adotar "gradativamente" medidas contra a França. Pouco antes, a França havia pedido à Turquia que não reagisse exageradamente à aprovação da lei.

Em discurso no Canal+ de televisão, o ministro de Relações Exteriores, Alain Juppé, que pessoalmente era contra a medida, disse que a lei vinha em um "mau momento", mas pediu ao governo turco que mantivesse a calma.

"Nós precisamos de boas relações com eles e precisamos atravessar esta fase de excessos", disse Juppé. "Temos laços econômicos e de negócios muito importantes. Espero que a realidade da situação não seja usurpada pelas emoções."

Alguns jornais turcos listaram as possíveis medidas que o país pode tomar. Elas incluem chamar de volta o embaixador em Paris e pedir a saída do embaixador francês na Turquia, reduzindo os laços diplomáticos para apenas um encarregado de negócios, e também fechar o espaço aéreo e marítimo turco para aeronaves e embarcações militares da França, aliada da Turquia na Otan.

Erdogan, em um breve discurso antes da votação francesa na segunda-feira, disse que a questão de futuras viagens oficias à França ficaria incerta, caso o Senado aprovasse a lei.

A Turquia também poderia acusar a França de que suas ações na Argélia nos anos de 1950 e 1960 também equivaleriam a um genocídio.

Com agências Reuters/AFP