21 de Janeiro, 2012 - 23:00 ( Brasília )

Geopolítica

PETROBRAS - Gabrielli deve sair, Maria Foster assume


LEILA COIMBRA
Com reportagem de Pedro Fonseca no Rio de Janeiro, Leonardo Goy e Tiago Pariz em Brasilia

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, teria renunciado à presidência da estatal e seria substituído no cargo pela atual diretora de Gás e Energia da empresa, Maria das Graças Foster, informou o canal televisivo Globo News na noite de sábado.

A troca do comandou seria realizada em fevereiro, segundo a emissora.

A notícia pegou de surpresa autoridades do governo e executivos da própria Petrobras, que disseram não ter informações sobre o assunto. A assessoria de imprensa da empresa não estava imediatamente disponível para confirmar a informação.

Na última reunião ordinária do conselho da estatal, que ocorreu na sexta-feira, dia 20, o assuntou não constava na pauta, disse à Reuters uma fonte da Petrobras.

"Para que ocorra uma mudança no comando da empresa é preciso uma decisão do conselho, o que ainda não aconteceu. Então, será necessário convocar uma reunião extraordinária", disse a fonte, caso a informação seja oficialmente confirmada.

Uma fonte do governo disse à Reuters na noite de sábado que Graça Foster esteve na sexta-feira no Palácio do Planalto, mas acrescentou que não tinha conhecimento da decisão

Outra fonte que acompanha de perto os bastidores da Petrobras disse que a saída de Gabrielli era tida como uma questão de tempo.

Mas a notícia de que a decisão já teria sido tomada e que a troca de comando ocorreria em fevereiro surpreendeu esse interlocutor, que pediu anonimato.

Integrantes do governo e também da estatal confirmaram, porém, que nos últimos dias, com a proximidade da reforma ministerial a ser feita pela presidente Dilma Rousseff, os boatos sobre a saída de Gabrielli da presidência da estatal ganharam força.

Gabrielli teria aspirações políticas e buscaria concorrer a um cargo executivo na Bahia, dizem pessoas próximas a ele. Mas, em café da manhã com a imprensa em dezembro de 2011, no Rio de Janeiro, o executivo negou que seria candidato em 2012.

O objetivo dele, segundo fontes, não seria pleitear a prefeitura de Salvador, mas o governo do Estado baiano em 2014.

Graças Foster é próxima à presidente e seu nome foi cotado para assumir um ministério ou o próprio comando da Petrobras quando Dilma tomou posse no cargo, no início do ano passado.