05 de Dezembro, 2011 - 20:30 ( Brasília )

Geopolítica

Presidente Dilma Constrangida em Caracas

O Servicio Bolivariano de Inteligencia (SEBIN) cerca e isola a presidente de sua comitiva. Chanceler Antonio Patriota e Gen Elito não tomaram atitude

Texto atualizado 22:10


Nelson Düring
Editor-Chefe DefesaNet


O Itamaraty através do Chanceler Antonio Patriota e do Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, General-de-Exército Elito Siqueira permitiu atos sem precedentes: que o governo bolivariano do presidente Hugo Chávez Frias, constrangesse e  isolasse  a presidente Dilma Rousseff de sua comitiva, por ocasião de sua visita a Caracas, dias 2 e 3 de dezembro para atender à conferência inaugural da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC).

Ratificando essa estranha postura do Itamaraty a equipe de DefesaNet repassou os  vídeos e fotos de recepção da presidente Dilma Rousseff nessa  visita. Todo o material está disponível nos sites oficiais do Planalto, da TeleSur e da EBC.

No momento em que a presidente Dilma pisou o solo venezuelano foi cercada por agentes do Serviço Secreto locais e dela foram  afastados  os seus seguranças e ajudantes de ordem.

O vídeo da chegada da presidente, gerado pela TeleSur (abaixo), mostra claramente seu ajudante de ordens entregar-lhe algo  à porta de um carro oficial local no qual ela já estava acomodada  e ser, praticamente  enxotado, não lhe sendo permitido acesso à comitiva. A tudo isto assistiu inerte o  “ embaixador brasileiro” em Caracas.

Os vídeos mostram pseudo- ajudantes venezuelanos, provavelmente agentes das Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB), treinados pela DGI  (Dirección General de Inteligencia), de Cuba, quando não, os próprios agentes do DGI.  A “segurança” pessoal de Chávez é feita sob estrito contrôle do DGI, do qual recebem ordens diretas de La Habana.

Chegada



Partida


 

Mesmo na apresentação da Guarda de Honra a presidente foi cercada por venezuelanos. Compare o mesmo evento em Caracas, ano de 2008, com o presidente Luiz Ignácio e Chávez. As fotos falam por si.

As ações assumem proporção pois EM TODOS OS MOMENTOS DE SUA ESTADA EM CARACAS, a presidente do Brasil foi cerceada em seus movimentos e constrangida por uma enérgica segurança local.

Cabe ao GSI, descrição retirada da própria página do órgão as seguintes atribuições estabelecidas pelaMedida Provisória nº 1.911-10, de 24 de setembro de 1999.

 O Gabinete de Segurança Institucional, órgão essencial da Presidência da República, tem como área de competência  entre outros os seguintes assuntos:

 

- assistência direta e imediata ao Presidente da República no desempenho de suas atribuições;
- assessoramento pessoal ao Presidente da República em assuntos militares e de segurança;
- segurança pessoal do Chefe de Estado, do Vice-Presidente da República e dos respectivos familiares, dos titulares dos órgãos essenciais da Presidência da República e de outras autoridades ou personalidades quando determinado pelo Presidente da República, assegurado o exercício do poder de polícia; e
- segurança dos palácios presidenciais e das residências do Presidente da República e do Vice-Presidente da República, assegurado o exercício do poder de polícia.
 

Os locais onde o Chefe de Estado e o Vice-Presidente da República trabalham, residem, estejam ou haja a iminência de virem a estar, e adjacências, são áreas consideradas de segurança das referidas autoridades, cabendo ao Gabinete de Segurança Institucional, para os fins do disposto neste artigo, adotar as medidas necessárias para a sua proteção, bem como coordenar a participação de outros órgãos de segurança nessas ações.

A postura adotada pelo Servicio Bolivariano de Inteligencia (SEBIN) ou a sua contraparte a Dirección General de Contra Inteligencia Militar a mando do DGI cubano foi algo de alarmar.

Porém, mais alarmante, é que uma postura agressiva foi adotada pelos bolivarianos no próprio Palácio do Planalto, quando da visita de Chávez, em 06 de junho 2011: O Chanceler Antonio Patriota foi afastado pela guarda de Chávez e alunos das primeiras séries, quase foram tratados como ativistas mirins.

Desta feita, não é sem razão que a presidente tenha  antecipado sua saída daquele País.

Fatos estranhos! Com a palavra o Itamaraty e o GSI.