04 de Novembro, 2011 - 09:59 ( Brasília )

Geopolítica

Equador envia novos comandos militares à fronteira com Colômbia


Duas centenas de militares equatorianos foram mobilizados a regiões fronteiriças com a Colômbia para reforçar as ações do Exército destinadas a evitar a infiltração de grupos ilegais colombianos, informou nesta quinta-feira o jornal El Universo, citando uma autoridade militar.

Os oficiais formam dois contingentes da Força Aérea Equatoriana (FAE), cada um com cem oficiais, e foram deslocados às províncias de Sucumbíos (norte) e Esmeraldas (sobre a costa do Pacífico), disse o chefe do Exército na região fronteiriça, general Wagner Bravo, ao jornal.

"Estamos mobilizando um apoio às operações terrestres lideradas pelo Exército", disse Bravo sobre a unidade mobilizada em Sucumbíos e que desde a terça-feira tem como base permanente um batalhão na cidade de Lago Agrio.

Uma das missões deste grupo será controlar os acessos clandestinos da fronteira, de cerca de 700 km, ao longo da qual operam a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), grupos de narcotraficantes e contrabandistas, segundo as autoridades.

Bravo, chefe do Comando Operacional Número Um Norte, descartou que a mobilização dos oficiais signifique uma militarização dessa região.

"Não estamos militarizando a fronteira, estamos dando importância à situação que se vive no lado fronteiriço (...), infelizmente, a Colômbia tem um problema, e não queremos que este atinja o Equador, por isso, estamos colocando os elementos necessários", afirmou o oficial.

Em agosto passado, o ministério equatoriano do Interior anunciou a construção de um posto policial de controle migratório no cais de San Lorenzo (Esmeraldas) para regular o fluxo de pessoas a partir da Colômbia.

O Equador mobilizou cerca de 13 mil militares em sua fronteira norte, segundo as autoridades.

O presidente Rafael Correa decidiu reforçar a presença militar nessa região após o bombardeio colombiano contra uma base clandestina das Farc em Sucumbíos em 1 de março de 2008, que matou 25 pessoas, entre elas o número dois do grupo rebelde, Raúl Reyes.

O incidente derivou na ruptura das relações entre os dois países durante 21 meses.