20 de Outubro, 2011 - 09:45 ( Brasília )

Geopolítica

Muammar Kadafi foi capturado pelos rebeldes, dizem agências


Muammar Kadafi, o coronel que liderou a Líbia durante mais de 40 anos até ter seu governo posto em xeque a partir das revoltas originadas no país durante a Primavera Árabe foi capturado, informam agências e jornais internacionais citando fontes do Conselho Nacional de Transição (CNT), o órgão representante do novo governo líbio.

Kadafi teria sido capturado justamente no estágio final da batalha dos rebeldes pela tomada de Sirte, cidade natal do coronel e cuja tomada foi comemorada nesta quinta-feira pelas forças do CNT. De acordo com informações da Reuters, Kadafi estaria machucado em ambas as pernas. "Ele foi capturado. Está machucado em ambas as pernas. Foi levado por uma ambulância", afirmou um oficial militar do CNT à agência.

A batalha por Sirte era vista como um derradeiro estágio na tomada da Líbia pelos rebeldes. A cidade assistira nos últimos dias ao recrudescimento dos combates com as forças leais a Kadafi, que se seguiram à queda da cidade de Beni Walid, outro reduto do antigo regime, para os soldados do CNT. Kadafi governava a Líbia desde 1969, quando encerrou o regime monárquico do Rei Idris.

Líbia: da guerra entre Kadafi e rebeldes à batalha por Trípoli

Motivados pelos protestos que derrubaram os longevos presidentes da Tunísia e do Egito, os líbios começaram a sair às ruas das principais cidades do país em fevereiro para contestar o coronel Muammar Kadafi, no comando desde a revolução de 1969. Rapidamente, no entanto, os protestos evoluíram para uma guerra civil que cindiu a Líbia em batalhas pelo controle de cidades estratégicas de leste a oeste.

A violência dos confrontos gerou reação do Conselho de Segurança da ONU, que, após uma série de medidas simbólicas, aprovou uma polêmica intervenção internacional, atualmente liderada pela Otan, em nome da proteção dos civis. No dia 20 de agosto, após quase sete meses de combates, bombardeios, avanços e recuos, os rebeldes iniciaram a tomada de Trípoli, colocando Kadafi, seu governo e sua era em xeque.

Na dia 23 de agosto, os rebeldes invadiram e tomaram o complexo de Bab al-Aziziya, em que acreditava-se que Kadafi e seus filhos estariam se refugiando, mas não encontraram sinais de seu paradeiro. De acordo com o CNT, mais de 20 mil pessoas morreram desde o início da insurreição.