21 de Setembro, 2011 - 10:10 ( Brasília )

Geopolítica

Líbia - Khadafi diz a opositores que proteção da Otan ‘não vai durar’

A TV síria Arrai divulgou nesta terça-feira uma mensagem de áudio do líder deposto da Líbia, Muammar Khadafi, na qual ele alerta seus opositores de que a proteção da Otan (a aliança militar do ocidente) não vai durar para sempre.

"O sistema político na Líbia é baseado no poder das pessoas. É impossível remover este regime", disse a mensagem. Não está claro quando ou onde ela foi gravada.

"Não comemorem e não acreditem que um regime foi derrubado e outro imposto com a ajuda de ataques aéreos e marítimos."

"As bombas dos aviões da Otan não vão durar", disse a mensagem do coronel. Khadafi está foragido desde que forças de oposição capturaram a capital líbia, Trípoli, em agosto.

Diplomacia

Nesta terça-feira representantes dos EUA e aliados devem se encontrar para discutir na ONU a Líbia pós-Khadafi.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, disse que o encontro "confirmaria o início de uma nova fase que começou com o encontro de Paris e será o princípio de um papel maior nas Nações Unidas".

Juppé disse, segundo a agência AFP, que um dos objetivos do encontro seria a criação do grupo Amigos da Líbia para substituir o Grupo de Contato, criado em Londres no dia 29 de março.

O grupo congrega cerca de 30 países e organizações internacionais como a ONU, Otan e a Liga Árabe.

Mercenários

Seguem os combates pelo controle de Ban Walid e a cidade natal de Khadafi, Sirte.

Oposicionistas lançaram ofensivas para conquistar Ban Walid na quinta-feira e sexta-feira, mas foram repelidos após encontrarem forte resistência.

Países ocidentais e o CNT (Conselho Nacional de Transição) da Líbia negaram as declarações do porta-voz de Khadafi de que 17 mercenários estrangeiros teriam sido capturados em combates recentes.

Na segunda-feira, Moussa Ibrahim, porta-voz do coronel Khadafi, disse que os mercenários seriam "técnicos e consultores", em sua maioria franceses, um de um país asiático não especificado, dois ingleses e um do Catar.

Mas Juppé disse que não há "mercenários franceses na Líbia" e a chancelaria britânica afirmou não possuir informações sobre a veracidade das informações.

A Otan disse não ter tropas no solo líbio.