02 de Setembro, 2011 - 10:44 ( Brasília )

Geopolítica

Rússia e Brasil estreitam ainda mais as relações bilaterais

Entrevista de A. K. Lukashevich, representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia sobre a visita do Ministro Antônio Patriota a Moscou

O Ministro das Relações Exteriores do Brasil, diplomata Antônio Patriota, estará em Moscou nos dias 3 e 4 de setembro, a convite do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov.

A seguir, a entrevista do representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, A. K. Lukashevich, à agência de notícias RIA Novosti, a propósito da visita do Ministro Antônio Patriota.

RIA Novosti – Nos próximos dias acontecerá a visita a Moscou do Ministro das Relações Exteriores do Brasil, diplomata Antônio Patriota. Quais são os objetivos dessa visita, e quais serão os principais assuntos tratados nas reuniões?

A. K. Lukashevich – A visita de trabalho do Ministro Antônio Patriota será em 3 e 4 de setembro, a convite do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa, Sergey Lavrov. A visita deverá se tornar um novo passo no trabalho de fortalecimento das relações de parceria estratégica entre Brasil e Rússia, de acordo com o plano de ações de parceria estratégica assinado em alto nível entre os dois países em 14 de maio de 2010. Além disso, dará um impulso extraordinário a todo o conjunto de cooperações russo-brasileiras e o crescimento de relações comerciais, econômicas e cientifico-tecnológicas.

Durante as conversações, deverá ser discutida a execução dos acordos alcançados nos encontros entre os Presidentes Dmitri Medvedev e Dilma Rousseff, no âmbito da Conferência de Cúpula dos BRICS, na cidade de Sanya, na China, em 14 de abril, e em 17 de maio deste ano, entre o Primeiro-Ministro Vladimir Putin e o Vice-Presidente Michel Temer, na 5.ª Reunião da Comissão Russo-Brasileira de alto nível, sob a direção dos Srs. Putin e Temer. E também das anteriores 7.ª Reunião da Comissão Intergovernamental Russo-Brasileira de Cooperação Comercial, Econômica e Científico-Tecnológica e reunião de cooperação da Comissão Política.

Estão previstas a troca de opiniões sobre assuntos atuais da pauta internacional e ações conjuntas de reforço da diplomacia multilateral, da supremacia do Direito Internacional, do papel central de coordenação da ONU nos negócios internacionais, do avanço do desarmamento e da ação para evitar e não deixar proliferar novas provocações e ameaças. Serão discutidas questões referentes ao desenvolvimento da situação no Oriente Próximo e no Norte da África. E em outros pontos quentes da situação econômico-financeira mundial. Também serão discutidos os caminhos para o aprofundamento da cooperação prática entre os dois países na ONU, no Conselho de Segurança e no Conselho dos Direitos Humanos, e em órgãos especializados.

Os ministros também irão analisar as possibilidades de aprofundar a cooperação construtiva no BRICS, os resultados da 3.ª Conferência de Cúpula, que visa à continuação do esforço russo-brasileiro para reforçar o grupo como um mecanismo de diálogo importante, que goze de mais atenção da comunidade internacional.Também será discutido o desenvolvimento de contatos nas áreas cultural e humanitária. O exemplo mais forte da colaboração nessa esfera é a Escola de Balé do Teatro Bolshoi em Joinville, Santa Catarina, que já funciona com sucesso há 11 anos. Por sua vez, na Rússia, funciona uma escola brasileira de futebol. Serão também tratadas questões como os Dias de Cultura Rússia-Brasil e Dias de Cultura Brasil-Rússia, que sem dúvida vão colaborar para a amizade e a aproximação de nossos países e povos.

RIA Novosti – Como o senhor avalia, no total, o nível de cooperação com o Brasil, como um país influente do continente sul-americano? O senhor poderia citar exemplos de colaboração entre os dois países na área internacional?

A. K. Lukashevich – O Brasil é realmente o maior parceiro comercial da Rússia na América Latina, e está entre os nossos principais parceiros comerciais no mundo. Nesse contexto, no decorrer do encontro em Moscou, uma atenção especial deverá ser dada ao planejamento e realização prática de programas de maior perspectiva e projetos de colaboração em áreas científicas, como a utilização pacífica do espaço, energética, incluindo a nuclear, o gás natural, as tecnologias modernas e o agronegócio. Um significado especial no âmbito do crescimento de relações comerciais e econômicas é dado ao desenvolvimento do mecanismo de pagamento de contas correntes com a utilização de moedas nacionais.

A cooperação com o Brasil em assuntos internacionais, especialmente nas principais organizações internacionais, antes de tudo na ONU, têm uma tradição de longa data. Além das Nações Unidas, Rússia e Brasil colaboram ativamente no G-20 – fórum global para a discussão de assuntos da pauta econômica internacional. Além disso, estamos interessados no desenvolvimento da cooperação bilateral no formato das organizações regionais que integram países da América Latina e do Caribe, como o Mercosul, o Unasul e outros.

Em resumo, o potencial de relações com o Brasil continua bastante sólido, e as partes pretendem ativá-lo de forma mais enérgica possível.