18 de Outubro, 2016 - 10:40 ( Brasília )

Geopolítica

Putin vai a Berlim discutir acordo de Minsk

Líderes de Alemanha, França, Rússia e Ucrânia confirmam primeira reunião em um ano para tratar do conflito no leste ucraniano. Governo Merkel já antecipa que não espera grandes avanços.

English version

Os líderes da Alemanha, França, Rússia e Ucrânia confirmaram nesta terça-feira (18/10) a realização de uma reunião em Berlim para discutir o processo de paz no leste ucraniano. O encontro, marcado para esta quarta, será o primeiro em um ano sobre o tema.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, convidou o presidente russo, Vladimir Putin, o ucraniano Petro Poroshenko e o francês François Hollande para "avaliar a implementação do acordo de Minsk desde a última reunião e discutir as próximas etapas", afirmou o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

A Alemanha exerce a presidência rotatória da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que monitora o conflito no leste da Ucrânia.

O acordo de Minsk, firmado em 2015 com a intermediação da Alemanha e França, contribuiu para amenizar os conflitos entre os separatistas pró-Rússia e as tropas do governo no leste da Ucrânia. Entretanto, os combates ainda prosseguem, minando os esforços para viabilizar uma solução política para o impasse na região.

A Rússia, que anexou a península da Crimeia em 2014, apoia a insurgência dos separatistas no leste ucraniano, que já causou quase 10 mil mortes. Moscou nega, porém, acusações de que teria enviado tropas e armamentos para o país vizinho para reforçar os rebeldes.

O governo alemão disse que não espera grandes avanços no encontro desta quarta-feira. "Não devemos esperar que vá resolver todos os problemas", disse Seibert. "Do cessar-fogo, que não é verdadeiro, ao impasse no processo político, muitos fatores não são nada satisfatórios", observou. "Mas Minsk é tudo que temos, o único fator a que todos podem recorrer e que delineia um caminho político e de paz para todos."

Após conversa com o líder ucraniano Petro Poroshenko, François Hollande pediu que todas as partes envolvidas no conflito estabeleçam um roteiro para viabilizar o fim da crise. O objetivo, segundo o francês, seria ajudar a Ucrânia a reconquistar o controle de suas fronteiras com a Rússia.

A relação entre Paris e Moscou atravessa um período tenso. O governo francês fez sérias críticas ao papel da Rússia no conflito na Síria, o que levou Putin recentemente a cancelar uma visita oficial à França.