17 de Outubro, 2016 - 11:00 ( Brasília )

Geopolítica

Iraque e coalizão realizam ataques em ofensiva para expulsar EI de Mossul

Mossul é último grande reduto dos extremistas no país. Explosões puderam ser ouvidas da entrada leste da cidade.

As forças iraquianas, com apoio aéreo e terrestre da coalizão liderada pelos Estados Unidos, iniciaram uma ofensiva nesta segunda-feira (17) para expulsar o Estado Islâmico da cidade de Mossul, último grande reduto dos extremistas no país.

Helicópteros realizaram ataques, e explosões puderam ser ouvidas da entrada leste da cidade, onde militantes curdos seguiram para tomar vilarejos periféricos, segundo a Reuters.

Os Estados Unidos preveem que o Estado Islâmico sofrerá uma grande derrota, conforme as forças iraquianas realizam a maior operação desde que os EUA retiraram suas tropas, em 2011.

Cerca de 30 mil soldados iraquianos, milícias curdas peshmerga e combatentes tribais sunitas participam da ofensiva para afastar de 4 a 8 mil militantes do Estado Islâmico de Mossul, cidade com 1,5 milhão de habitantes.

Preparação

Desde a semana passada, as forças iraquianas apoiadas pela aviação da coalizão internacional liderada pelos EUA vêm fazendo seus últimos preparativos para iniciar a ofensiva para libertar Mossul.

A cidade, a segunda mais importante do país, foi capturada pelos extremistas em junho de 2014. Neste ano, o EI foi perdendo parte dos territórios que controlava e a maior parte das cidades importantes, sendo Mossul seu domínio mais valioso na atualidade.

Rebelião

Na sexta-feira, o Estado Islâmico desbaratou um plano de rebelião em Mossul liderado por um dos comandantes do grupo que pretendia mudar de lado e ajudar a entregar a capital iraquiana do califado às forças do governo.

O EI executou 58 pessoas suspeitas de participação no complô depois que o plano foi descoberto na semana passada. Segundo testemunhas, os amotinados foram mortos afogados e seus corpos foram enterrados em uma vala coletiva nos arredores da cidade.