25 de Abril, 2016 - 09:20 ( Brasília )

Geopolítica

Obama diz ter aprovado até 250 soldados adicionais dos EUA na Síria


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, confirmou nesta segunda-feira a aprovação do envio de até 250 soldados norte-americanos para a Síria, incluindo forças especiais, para treinar e auxiliar forças locais que lutam contra militantes do Estado Islâmico.

Obama, falando na Alemanha, disse que apoiou o envio para impulsionar as forças especiais já em solo sírio na luta contra o Estado Islâmico em áreas-chave.

Obama diz estar "profundamente preocupado" com aumento de violência na Síria

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse durante uma visita à Alemanha neste domingo que está "profundamente preocupado" com a onda de violência na Síria, onde as forças do governo intensificaram bombardeios de áreas controladas pelos rebeldes em torno da cidade estratégica de Aleppo.

Após reunião com a chanceler alemã, Angela Merkel, em um palácio do século 17 perto da cidade de Hanover, Obama falou de uma "trágica crise humanitária" na Síria e disse que continua a acreditar em uma solução política para o conflito no país.

A Alemanha é a última parada em uma excursão estrangeira de seis dias em que Obama tem procurado reforçar alianças dos EUA que vê como importantes para aumentar o comércio, derrotar militantes do Estado Islâmico e contrabalançar a intervenção russa na Síria e Ucrânia.

"Continuamos profundamente preocupados com o recrudescimento dos combates na Síria nos últimos dias e continuamos a concordar que a única solução duradoura real é uma solução política que mova a Síria no sentido de um governo inclusivo que represente todos os sírios", disse Obama.

Merkel instou as partes a negociações de paz em Genebra, que estão em risco de colapso, para chegar a um acordo sobre zonas humanitárias, onde sírios em fuga poderiam se sentir livre de bombardeios. Ela e Obama deixaram claro que não aprovam a criação de "zonas seguras" clássicas que precisariam ser protegidas por forças estrangeiras.

Os dois líderes desenvolveram uma relação forte e pragmática depois de um começo difícil em que Merkel se recusou a permitir que Obama, então senador em campanha para a presidência, falasse no Portão de Brandemburgo, em 2008.

Eles tocaram em uma série de questões, incluindo a Ucrânia, Coreia do Norte, Líbia e conversas sobre livre comércio.

Obama elogiou Merkel por sua "liderança firme" e sua forma de lidar com a crise de refugiados da Europa, dizendo que sua decisão no ano passado de acolher centenas de milhares de migrantes para a Alemanha a colocou "no lado certo da história".

Ele brincou dizendo que Merkel tem um "senso de humor muito bom" que não necessariamente sempre compartilha em público, tirando risadas da chanceler de 61 anos.

Rússia e Coreia do Norte

Ambos os líderes expressaram preocupações sobre violações do cessar-fogo no leste da Ucrânia e disseram que as sanções contra a Rússia, impostas pelo Ocidente em resposta à intervenção de Moscou, não poderiam ser relaxadas antes da situação no local melhorar.

Obama também foi questionado sobre a mais recente demonstração militar da Coreia do Norte - um teste de mísseis balísticos lançados por submarinos que Pyongyang descreveu no domingo como um "grande sucesso". Uma série de testes nos últimos meses aumentaram a tensão na península coreana, irritando o aliado China e desencadeando novas sanções das Nações Unidas.

"O que está claro é que a Coreia do Norte continua a envolver-se em comportamento provocador contínuo, que estão buscando ativamente um programa nuclear, a capacidade de lançar armas nucleares", disse Obama.

"E, embora na maioria das vezes eles falhem em muitos desses testes, eles ganham conhecimento cada vez que se envolvem nestes testes", acrescentou.

Os laços entre Washington e Berlim foram danificados em 2013 por revelações de vigilância generalizada dos cidadãos alemães, incluindo o grampo do celular de Merkel, pela Agência de Segurança Nacional dos EUA.

Mas nos últimos anos, os dois aliados da Guerra Fria têm corrigido as coisas, em estreita coordenação sobre a crise na Ucrânia e pressionando um acordo sobre um tratado de livre comércio entre os EUA e a União Europeia antes de Obama deixar o cargo em 20 de janeiro.

As negociações sobre o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, em inglês) têm sido difíceis e o tempo está se esgotando.

Milhares de manifestantes segurando cartazes com frases de ordem como "Parem o TTIP" marcharam no sábado para expressar sua oposição ao acordo. Europeus e norte-americanos temem que ele poderia custar empregos e erodir as proteções ao consumidor.

Mas Obama disse esperar que o acordo, que apoiadores dizem que pode impulsionar as economias de cada lado do Atlântico em 100 bilhões de dólares, seria acertado neste ano.

"O tempo não está do nosso lado", disse enquanto abriu com Merkel a Hanover Messe, uma enorme feira de comércio industrial. "Se não completarmos as negociações neste ano, então as próximas transições políticas nos EUA e na Europa significariam que este acordo não será concluído por algum tempo."

Agora, nos últimos nove meses de seu mandato presidencial, Obama foi à Alemanha depois de passar três dias em Londres, onde pediu aos britânicos que votem para permanecer na União Europeia no referendo de junho, cujo resultado poderia ter consequências econômicas globais.

No início da semana, ele se reuniu com líderes do Golfo, em Riad, para tentar acalmar os receios de que Washington tenha se tornado menos comprometida com sua segurança, especialmente após o acordo nuclear com o Irã, rival regional da Arábia Saudita.

Antes de Obama retornar a Washington na segunda-feira, ele e Merkel se reunirão com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o presidente francês, François Hollande, e primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi. Entre as questões que são esperadas para as discussões estará o maior compartilhamento de inteligência após os ataques de militantes islâmicos na França e na Bélgica.

Merkel diz que conversas em Genebra devem ter áreas seguras na Síria como objetivo

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse neste domingo que não aprova "zonas seguras" clássicas na Síria que teriam de ser protegidas por forças estrangeiras, mas acredita que as negociações de paz em Genebra poderiam chegar a um acordo sobre áreas onde refugiados sírios poderiam se sentir a salvo de bombardeios.

"Eu acredito que, se você tivesse seguido o que eu disse ontem, na Turquia, é algo que tem de sair das conversações de paz de Genebra; não se trata de zonas seguras clássicos", disse durante uma entrevista coletiva com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

"É possível, quando se fala sobre um cessar-fogo, identificar regiões nas conversações entre os parceiros de negociação em Genebra onde as pessoas podem se sentir particularmente seguras. Não se trata de alguma influência do exterior, mas sim de dentro das negociações", acrescentou.

EUA e aliados realizam 28 ataques contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria

Os Estados Unidos e seus aliados conduziram 28 ataques contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria no sábado, disse a coalizão que lidera as operações.

Em comunicado divulgado neste domingo, a Força Tarefa Conjunta disse que quatro ataques próximos a duas cidades na Síria atingiram três unidades táticas e destruíram duas posições de combate, um sistema de artilharia anti-aéreo e um veículo improvisado como dispositivo explosivo.

No Iraque, 24 ataques próximos de 11 cidades atingiram uma unidade de armas, um quartel general e uma unidade modular, além de ter destruído sistemas de trincheira, armazéns de alimentação, áreas de montagem e um gerador, entre outros alvos, segundo o comunicado.