02 de Agosto, 2011 - 10:24 ( Brasília )

Geopolítica

Alemanha adverte contra chamado a intervenção militar na Síria


A Alemanha advertiu nesta terça-feira contra um chamado a uma intervenção militar na Síria pelas violentas repressões contra a oposição e argumentou que a situação nesse país é diferente da vivida na Líbia.

"No caso da Líbia tínhamos uma resolução da União Africana e da Liga dos Estados Árabes, aqui não temos nenhuma das duas coisas, nem dada parecido", declarou o secretário de Estado de Relações Exteriores germânico, Werner Hoyer, à rede pública ARD.

Ele ressaltou que a situação na Síria é "de conflito, com um grande potencial de agravamento", por isso recomendou "muita, muita prudência".

Assinalou que a oposição síria pediu não abordar a possibilidade de uma intervenção militar para não fazer o jogo do regime, que considera a resistência uma operação dirigida a partir do exterior e que não do povo.

Por sua vez, Hoyer chamou um amplo apoio internacional contra o regime do presidente sírio, Bashar al Assad. "Todas as medidas serão mais efetivas quantos mais participem delas", ressaltou. Neste sentido indicou que a Alemanha adquire 1% de seu petróleo da Síria e que se renunciasse ao mesmo "não sofreria nenhuma consequência".

"Mas se todos tomarem a mesma atitude, se eles (Síria) não conseguirem vender o petróleo, não importa para que parte do mundo, o efeito que alcançaríamos seria enorme", assinalou. Na véspera, a Alemanha condenou duramente a repressão do regime sírio à oposição democrática e exigiu energicamente que Damasco coloque fim ao uso da violência contra os manifestantes.

Segundo o vice porta-voz do governo, Christoph Steegmnans, a chanceler alemã, Angela Merkel, condena "da forma mais firme" a repressão das autoridades sírias e instou ao presidente sírio "com toda clareza a pôr fim imediatamente à violência contra seu próprio povo".

Por sua vez, o Ministério de Relações Exteriores germânico falou de "um salto qualitativo na maquinaria repressiva" do Estado sírio e acrescentou que entra dentro da lógica classificar a atuação das autoridades sírias de "guerra contra seu próprio povo".

Dezenas de pessoas - mais de uma centena pelos dados das organizações - morreram no domingo na ofensiva de grande escala lançada pelas tropas sírias nas cidades que protagonizaram as maiores protestos contra o regime, principalmente em Hama (centro).

Cerca de 1,6 mil civis e cerca de 400 soldados das forças de segurança morreram nas revoltas populares contra o regime sírio desde março, contabiliza o Observatório para os Direitos Humanos sírio.