01 de Dezembro, 2015 - 11:00 ( Brasília )

Geopolítica

Obama diz que apoia direito da Turquia de se defender


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira que apoia o direito da Turquia de se defender, após forças turcas terem abatido um avião de guerra russo na fronteira com a Síria na semana passada.

Obama fez as declarações durante encontro com o presidente turco, Tayyip Erdogan, em Paris, onde participa da cúpula da ONU sobre o clima.

"Os Estados Unidos apoiam o direito da Turquia de se defender e seu espaço aéreo", disse Obama.

"Discutimos como a Turquia e a Rússia podem trabalhar juntas para diminuir tensões" e achar um caminho diplomático para resolver a questão, disse.

Turquia pede abertura de canais de comunicação com a Rússia

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, pediu nesta terça-feira a abertura de canais de comunicação entre a Turquia e a Rússia para evitar incidentes como a derrubada de um avião de guerra russo por jatos turcos ao longo da fronteira com a Síria na semana passada.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente turco, Tayyip Erdogan, não se reuniram na cúpula da ONU sobre o clima, na segunda-feira, em Paris, que Erdogan havia descrito como uma oportunidade para remendar os laços entre os dois países.

"O nosso apelo à Rússia é novamente pela abertura de canais de comunicação militares para evitar incidentes similares ao que aconteceu. Vamos manter canais diplomáticos abertos", disse Davutoglu em entrevista coletiva antes de partir para uma visita oficial ao norte do Chipre.

"Temos de sentar e conversar à mesa em vez de fazer alegações infundadas", acrescentou.

Putin, que assinou um decreto impondo sanções econômicas sobre a Turquia após o incidente, disse na segunda-feira que o país derrubou o jato russo porque queria proteger o abastecimento de petróleo dos militantes do Estado Islâmico.

Erdogan definiu como “calúnia” as acusações de que a Turquia compra petróleo do Estado Islâmico.

Davutoglu disse que a Turquia continuará em seus esforços para expulsar os militantes islamistas da área no lado sírio da fronteira entre os dois países.

Turquia irá continuar esforços para remover Estado Islâmico da fronteira com Síria, diz premiê

A Turquia irá continuar os esforços para retirar militantes do Estado Islâmico da área da fronteira entre o país e a Síria, disse o premiê Ahmet Davutoglu durante entrevista coletiva nesta terça-feira.

Davutoglu também reiterou um pedido à Rússia para abrir canais de comunicação militar entre os dois países para prevenir incidentes similares à derrubada de um avião de guerra russo por jatos turcos na semana passada.

Obama  incentiva Turquia a reduzir tensões com a Rússia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu a seu colega turco, Tayyip Erdogan, nesta terça-feira, que reduza as tensões com a Rússia, sublinhando o apoio norte-americano à segurança da Turquia, sua aliada da Otan.

Obama se reuniu com Erdogan em Paris, onde participa da cúpula do clima da ONU, uma semana depois de jatos turcos derrubarem um avião de guerra russo ao longo da fronteira com a Síria.

"Os Estados Unidos apoiam o direito da Turquia de se defender e também seu espaço aéreo... Conversamos sobre como a Turquia e a Rússia podem trabalhar juntas para acalmar as tensões e encontrar um caminho diplomático para resolver o problema", disse.

Obama afirmou que enfatizou para Erdogan que o grupo militante Estado Islâmico é o inimigo em que todos os lados precisam se concentrar.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, pediu pela manhã a abertura de canais de comunicação entre a Turquia e a Rússia para evitar novos incidentes como a derrubada do avião de guerra.

Putin, que assinou um decreto impondo sanções econômicas sobre a Turquia em razão do incidente, disse que o país derrubou o jato porque queria proteger o abastecimento de petróleo dos militantes do Estado Islâmico. Erdogan definiu como “calúnia” as acusações de que a Turquia compra petróleo do Estado Islâmico.

Após a reunião com Obama, Erdogan afirmou que os dois conversaram sobre as tensões turco-russas.

"Nossa preocupação é não ficar mal nisso, mas, ao contrário, transformar isso em paz e contribuir para a paz na região", disse Erdogan.