13 de Outubro, 2015 - 10:40 ( Brasília )

Geopolítica

Putin diz que Rússia não luta por liderança sobre Síria

Rússia diz que grupo treinado pelo Estado Islâmico quis atacar Moscou


Nota DefesaNet

Publicamos na íntegra a entrevista dada por Vladimir Putin à rede de Televisão Rossiya-1. Relevante e abrange todos os pontos em discussão: Síria, MH17, terrorismo, etc.

Texto original em inglês como liberado pelo Kremlin.ru


Vladimir Putin - Inteview for Russia TV Link


O Editor

A Rússia não está lutando por liderança sobre a Síria, disse o presidente Vladirmir Putin nesta terça-feira durante uma conferência de investimentos, acrescentando que a cooperação atual com países ocidentais sobre o conflito sírio não é suficiente.

A Rússia, os Estados Unidos e a Europa devem encorajar diálogos políticos entre os lados do conflito sírio, acrescentou Putin.

Putin também disse que a Turquia é um dos parceiros mais importantes da Rússia, e que a Rússia precisa entender como construir relações com a Turquia para lutar contra o terrorismo.

Ataque a embaixada em Damasco é ato de terrorismo

O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse nesta terça-feira que Moscou considera o ataque à embaixada do país em Damasco um ato terrorista, informou a agência de notícia RIA nesta terça-feira.

"Esse é um claro ato de terrorismo, provavelmente com o objetivo de intimidar os apoiadores da luta contra o terrorismo", disse Lavrov, segundo a agência, antes de encontro com o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, nesta terça-feira.

Dois projéteis foram disparados contra a embaixada russa em Damasco, nesta terça-feira, durante uma manifestação em apoio a Moscou, mas não houve relatos sobre vítimas ou danos provocados ao edifício.

Lavrov disse ainda que a Rússia apoia os esforços de De Mistura para garantir um acordo político para encerrar a crise na Síria e que está desapontada com a relutância dos EUA em coordenar os esforços de todos os lados envolvidos em lutar contra o terrorismo na Síria, segundo a RIA.

Grupo treinado pelo Estado Islâmico quis atacar Moscou

Um grupo de russos presos com uma bomba se preparava para atacar o sistema de transporte público de Moscou e contava com pessoas treinadas pelo Estado Islâmico na Síria, afirmaram serviços de segurança da Rússia nesta segunda-feira.

No domingo, o Comitê Nacional Antiterrorismo relatou ter detido cerca de dez pessoas flagradas com equipamento de construção de bombas e um artefato explosivo improvisado.

"Algumas destas pessoas tiveram treinamento em campos do Estado Islâmico na Síria", teria dito o Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em russo), segundo a agência de notícias russa Interfax. "O interrogatório de dois dos detidos revelou que planejavam realizar um ataque terrorista no transporte público de Moscou."

A Rússia vem reforçando a segurança por temor de ameaças de militantes islâmicos, especialmente da irrequieta região do norte do Cáucaso, que voltam para casa vindos do Oriente Médio ou do Afeganistão, talvez buscando vingança pela intervenção militar russa contra rebeldes sírios.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que mais de 2 mil militantes da antiga União Soviética estão lutando na Síria.

O FSB declarou que os aspirantes a terroristas retornaram à Rússia muito antes de Moscou iniciar sua campanha de ataques aéreos em apoio ao presidente sírio, Bashar al-Assad, no final de setembro.

Mas suas prisões serão alardeadas pelo Kremlin como uma confirmação de seu argumento de que a intervenção é necessária para conter militantes islâmicos de origem russa.