21 de Agosto, 2015 - 12:00 ( Brasília )

Geopolítica

Coreia do Norte deixa tropas de prontidão após troca de artilharia com Sul


O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, ordenou que suas tropas ficassem prontas para o combate às 5h desta sexta-feira, após seu governo emitir um ultimato para Seul colocar um fim a propagandas contra o governo norte-coreano até a tarde de sábado ou enfrentariam ações militares.

O vice-ministro da Defesa sul-coreano, Baek Seung-joo, disse que ser provável o Norte disparar contra alguns dos 11 locais onde os alto-falantes foram colocados no lado sul da Zona Desmilitarizada, que separa os dois países.

As tensões aumentaram na quinta-feira, quando a Coreia do Norte atirou projéteis na Coreia do Sul para protestar contra as transmissões de mensagens contra o Norte. O Sul respondeu com uma avalanche de 29 projéteis de artilharia.

Ambos lados informaram que não houve mortes ou danos nos territórios, uma indicação de que os tiros eram de alerta. Nenhum lado quer uma guerra, de acordo com analistas.

Coreia do Sul dispara contra Coreia do Norte em resposta a tiros de artilharia

A Coreia do Sul anunciou ter feito dezenas de tiros de artilharia em direção à Coreia do Norte nesta quinta-feira, depois que o Norte disparou um projétil contra um alto-falante sul-coreano que transmitia de modo estridente mensagens contra o governo norte-coreano, num momento em que a tensão está aumentando na península.

A Coreia do Norte não retornou fogo, mas fez um alerta à Coreia do Sul, em uma carta, dizendo que iria recorrer a ação militar se o Sul não remover os alto-falantes dentro de 48 horas, disse o Ministério da Defesa sul-coreano.

Na carta, as forças armadas da Coreia do Norte definiram a propaganda que o Sul transmite como uma grande atitude de “desafio” ao Norte.

A Coreia do Sul afirmou que o seu equipamento de detecção tinha identificado a trajetória de um suposto projétil norte-coreano lançado em torno das 15h52 (3h52 pelo horário de Brasília), que não pareceu ter danificado o alto-falante ou causado quaisquer danos.

A presidente sul-coreana, Park Geun-hye, disse às principais autoridades de defesa que “reagissem com firmeza" às provocações norte-coreanas, segundo um porta-voz. Os militares da Coreia do Sul elevaram seu status de alerta para o mais alto nível.

"Nosso Exército intensificou o monitoramento e está acompanhando de perto os movimentos militares norte-coreanos", disse o Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

Não houve menção dos disparos na mídia estatal norte-coreana, que normalmente não faz comentários imediatos sobre os acontecimentos.

O suposto projétil norte-coreano caiu em uma área a cerca de 60 quilômetros ao norte de Seul, na parte ocidental da zona fronteiriça, disse o Ministério da Defesa. Residentes sul-coreanos na área foram obrigados a deixar o local, de acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap.