29 de Junho, 2015 - 11:05 ( Brasília )

Geopolítica

Kremlin alerta para risco de avanço da OTAN nos países bálticos

Segundo oficial russo, Estados vizinhos entram na mira da Rússia ao receber equipamento bélico da aliança ocidental. Moscou alega que Ocidente estaria violando acordos pós-Guerra Fria ao estender fronteiras da OTAN.

Paulo Paladino


Em vez de contar com armas da Otan, os Estados do Báltico – Estônia, Lituânia e Letônia – deveriam pensar sobre as ameaças que criaram para seus países ao implantarem elementos do escudo antimíssil da aliança militar ocidental, declarou o vice-secretário do Conselho de Segurança russo, Evguêni Lukianov, nesta quarta-feira (24).

“Seria melhor que pensassem em outras coisas – na implantação de elementos do sistema de defesa antimíssil direcionados a nossas forças nucleares estratégicas, que é onde está o problema, pois eles se tornam nosso alvo”, disse Lukianov a repórteres.

“Se eles preferem ser alvo de alguém por causa de sistemas de armas norte-americanos, é uma escolha deles”, acrescentou. “A lógica do conflito é que ninguém ganha com isso, mas pior quando alguém se encontra entre [as partes contrárias].”

Os Estados Unidos vão mobilizar tanques, artilharia e outros equipamentos militares no centro e no leste da Europa, conforme anúncio do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, nessa terça-feira (23).

Em viagem a Tallinn, capital da Estônia, a cerca de 220 km da fronteira com a Rússia, Carter afirmou que os países bálticos, bem como Bulgária, Romênia e Polônia, tinham concordado em receber equipamento bélico pesado da Otan. Uma parte do aparato militar também será posicionado na Alemanha.

A decisão dos EUA de mobilizar equipamentos pesados mais perto das fronteiras russas tem por objetivo acelerar a mobilização de forças móveis norte-americanas e intensificar os exercícios da Otan na Europa, tendo em vista a anexação da Crimeia pela Rússia no ano passado.

“Você já perdeu a sua independência antes. Com a Otan, você nunca irá perdê-la novamente”, disse Carter, citando uma frase usada anteriormente pelo presidente norte-americano Barack Obama.

“Isso porque os Estados Unidos e o resto da aliança da Otan estão absolutamente comprometidos com a defesa da integridade territorial da Estônia, Letônia e Lituânia”, continuou o secretário de Defesa dos EUA, rodeado por chefes de Defesa dos países bálticos. De acordo com os preceitos da Otan, atacar qualquer Estado-membro da aliança ocidental é configurado como um ataque a todas as partes.