20 de Janeiro, 2015 - 16:20 ( Brasília )

Geopolítica

Comandante diz que "golpe" está em andamento no Iêmen

Houthis tomam palácio presidencial no Iêmen, dizem testemunhas

Os rebeldes xiitas houthis atacaram a residência do presidente do Iêmen, Abed Rabbo Mansour Hadi, nesta terça-feira e simultaneamente invadiram o palácio presidencial, na capital Sanaa. Um importante comandante policial advertiu que um "golpe" está em andamento no país.

O presidente Hadi estava no interior da residência quando o local foi alvo de "pesado ataque" durante meia hora, mas não se feriu e era protegido por guardas, informaram autoridades.

O dramático acontecimento colocou Hadi, que conta com apoio dos Estados Unidos, numa situação perigosa, que representa o mais duro desafio à sua autoridade desde que os houthis invadiram Sanaa, vindos de seu reduto no norte, e tomaram a capital em setembro.

A ministra de Informação Nadia al-Sakkaf escreveu em sua página no Twitter que o ataque teve início às 15h (horário local), realizado por "forças armadas posicionadas sobre telhados" que dão vista para a casa do presidente.

Ao mesmo tempo, rebeldes houthis também invadiram o gabinete do presidente, apossando-se do palácio presidencial e saqueando o depósito de armas, segundo o coronel Saleh al-Jamalani, comandante da Força de Proteção Presidencial, a guarda do palácio.

"Isso é um golpe. Não há outras palavras para descrever o que está acontecendo além de golpe", declarou al-Jamalani à Associated Press, acrescentando que os rebeldes devem ter recebido ajuda de pessoas de dentro do governo.

A tomada do palácio pelos rebeldes aconteceu após a captura, menos de uma hora antes, da sede da guarda presidencial, que fica nas proximidades. Os houthis fizeram dezenas de reféns dentre as forças especiais e tomaram o controle de equipamentos de artilharia pesada e tanques de fabricação russa.

Os ataques romperam um tenso cessar-fogo que havia sido firmado durante a noite e que ficou em vigor até a manhã desta terça-feira, após os pesados confrontos no dia anterior. A ação dos houthis acontece após negociações, aparentemente fracassadas, entre Hadi e um representante dos rebeldes, realizada na residência do presidente.

O grupo quer mais influência no governo e na redação da nova Constituição do país. Os houthis se opõe à recomendação de Hadi sobre a divisão do país em seis Estados federativos.

"O que está acontecendo agora é apenas mais um passo na direção da consolidação do poder (dos houthis)", disse Abdel-Bari Taher, jornalista escritor veterano. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Houthis tomam palácio presidencial no Iêmen, dizem testemunhas

Militantes Houthi entraram no palácio presidencial do Iêmen após um breve confronto com a segurança do local, disseram testemunhas e fontes de segurança à Reuters.

Guardas do palácio presidencial, que abriga o principal gabinete do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, disseram ter entregado o controle do local aos militantes Houthi após um breve confronto.

Testemunhas também disseram ter visto um breve confronto entre as forças Houthi e os guardas palacianos e que os combatentes Houthi tomaram veículos blindados que faziam a segurança na entrada do palácio.

Na segunda-feira os Houthi travaram combates com o Exército perto do palácio presidencial em um dos combates mais intensos na capital Sanaa em anos. Eles também cercaram a residência do primeiro-ministro iemenita.

Nove pessoas foram mortas e 90 ficaram feridas até que um cessar-fogo entrou em vigor na noite de segunda.