21 de Setembro, 2014 - 09:40 ( Brasília )

Geopolítica

Cessar-fogo na Ucrânia é "só no nome", diz OTAN


Os combates na Ucrânia continuam e a trégua no país é "só no nome", disse o principal comandante militar da Otan neste sábado.

"A situação na Ucrânia não é boa neste momento", afirmou o general da força aérea dos Estados Unidos Philip Breedlove a repórteres em Vilnius. "Basicamente, só temos um cessar-fogo no nome".

"A quantidade de eventos e de disparos feitos e a artilharia usada ao longo dos últimos dias se equiparam a alguns dos níveis pré-cessar-fogo. O cessar-fogo está lá nominalmente, mas o que está acontecendo no local é uma história bem diferente".

Breedlove disse esperar que um memorando assinado neste sábado ordenando a retirada dos armamentos pesados, incluindo a artilharia, e de todos os combatentes estrangeiros de uma zona de 30 quilômetros irá acalmar a situação.

Falando após uma reunião dos chefes de defesa dos países da Otan, Breedlove, que é o Comandante Aliado Supremo da entidade e comandante das forças dos EUA na Europa, disse que a Rússia movimentou algumas de suas forças dentro da Ucrânia para o sul para pressionar a cidade portuária de Mariupol.

Indagado se o objetivo russo é se aliar às suas forças na Crimeia ao longo da costa ucraniana, ele respondeu: "Não especularia sobre qual é sua intenção, mas eles certamente mobilizaram uma capacidade militar para agir naquela costa se decidirem fazê-lo".

"O que sabemos é que, em relação ao auge da movimentação russa na semana passada, as cifras diminuíram significativamente e algumas destas forças voltaram para o lado russo da fronteira. O que é bom, exceto pelo fato de que não voltaram para casa e estão à disposição para impor sua força militar na Ucrânia se desejarem", afirmou.

Fábrica de munições é atingida em Donetsk antes de criação de zona de paz

A cidade ucraniana de Donetsk foi abalada neste sábado por explosões, enquanto forças do governo e separatistas pró-Rússia se preparam para criar uma zona intermediária para separar ambosos lados.

Um memorando assinado no começo deste sábado pede a retirada de armas pesadas, incluindo artilharia, e de todos os combatentes estrangeiros da zona, que tem 30 quilômetros de extensão.

Um correspondente da Reuters em Donetsk, principal polo industrial do problemático leste da Ucrânia, afirmou que várias explosões foram ouvidas nesta manhã. Uma fábrica que produzia munições e explosivos industriais foi atingida, disseram autoridades municipais.

Explosões também foram ouvidas na direção do principal aeroporto internacional da região, que ainda está sob poder das forças do governo, apesar das tentativas dos rebeldes de tomar o controle do local.