24 de Junho, 2011 - 11:35 ( Brasília )

Geopolítica

Expansão Chinesa - Crescimento da China começa a desacelerar, dizem analistas

Aumento da inflação e dos custos trabalhistas ameaçam enfraquecer ainda mais a economia do país

Novas análises econômicas da China indicam que o rápido crescimento econômico do país está começando a desacelerar, e alertam que o aumento da inflação, os custos trabalhistas e a crescente dívida do governo local ameaçam enfraquecer o crescimento ainda mais.

Vários economistas na China recentemente baixaram suas previsões de crescimento para este ano e o próximo ano para cerca de 8,5%, de previsões anteriores de 9% a 10%, e advertiram sobre a possibilidade de um aumento acentuado na inadimplência aos empréstimos feitos por grandes bancos estatais.

Na segunda-feira, por exemplo, o Credit Suisse disse que os dados divulgados recentemente pelo banco central chinês mostram que o crédito na China foi expandido em "níveis alarmantes", muito mais do que estimativas anteriores do governo sugeriam. O Credit Suisse rebaixou suas previsões de lucro para as empresas chinesas e bancos estatais, ao mesmo tempo que alertou sobre a desaceleração do crescimento da economia do país.

Os relatórios foram divulgados em um momento de grande preocupação com o crescimento mais lento em outras partes do mundo, incluindo Estados Unidos, Europa e Japão.

Desde a crise financeira, a China tem sido o principal motor do crescimento do mundo. Mas, durante grande parte do ano que passou, a China vem tentando conter os empréstimos bancários excessivamente agressivos como uma forma de domar a inflação e o crescente preço de imóveis.

Essas medidas não apenas enfraqueceram o crescimento da China, dizem os analistas, mas também começaram a expor uma série de outros problemas no sistema financeiro do país.

Embora poucos analistas esperem que o crescimento da China desacelere para abaixo de 8% no próximo ano, eles ainda retratam um cenário preocupante. O mercado acionário chinês esteve em queda durante a maior parte dos últimos dois anos, o mercado imobiliário parece mais fraco e inflação está em alta há 34 meses.

Os analistas indicam que as exportações começaram a mostrar sinais de fraqueza nas últimas semanas. O Credit Suisse na segunda-feira informou que o crescimento das exportações da China poderia chegar a zero nos próximos meses, em parte por causa da menor demanda nos Estados Unidos e Europa.

Os novos números do Credit Suisse também indicam que os empréstimos fora do balanço de oferta, muitos dos quais ocorreram fora do sistema bancário, injetaram uma grande quantidade de crédito adicional no sistema financeiro no ano passado. Como resultado, o Credit Suisse rebaixou os ratings de empresas e grandes bancos estatais chineses e advertiu para um possível aumento nos empréstimos ruins.
 

Vincent Chan, chefe de pesquisa do Credit Suisse na China, disse que a economia do país pode evitar uma "crise", mas que o crescimento no próximo ano possivelmente será menos robusto.

"O consenso no mercado é de dois ou três trimestres de desaceleração, seguidos por um período de recuperação do crescimento", disse Chan em entrevista por telefone na segunda-feira. Mas, segundo ele, "estamos o que dizemos é que depois disso o crescimento pode não voltar e o endividamento pode se tornar mais grave”.

No início deste mês, Wang Tao, economista-chefe do UBS na China, disse que a economia da China ainda é forte, mas alertou que ao longo dos próximos anos, os empréstimos a empresas de investimento de governos locais podem resultar em até US$ 460 milhões em inadimplência.

Embora Pequim tenha utilizado bancos estatais para sustentar o crescimento após a crise financeira do final de 2008, o governo central está ordenando que eles ajudem a controlar o crescimento.

Taxas de juros

Os bancos chineses já aumentaram as taxas de juros e implementaram reservas maiores. O governo deverá anunciar medidas adicionais nos próximos meses.

Embora essas medidas possa ajudar a conter a inflação elas provavelmente também enfraqueceriam o crescimento ao aumentar os custos de empréstimos na China. Isso poderia prejudicar as empresas privadas e construtoras, que estão entre as maiores fontes de crescimento da China.

Na semana passada, a agência de classificação de crédito Standard & Poors, reduziu sua previsão para construtoras chinesas, prevendo que em algumas regiões as vendas de propriedade poderão cair acentuadamente como resultado do crédito mais apertado e das restrições do governo.

Outro motor de crescimento – o investimento do governo local em projetos de infraestrutura – também está sob escrutínio dos reguladores devido a preocupações de que os gastos excessivamente agressivos com novas estradas, pontes, túneis, metrôs e outros projetos poderiam levar a uma onda de créditos de liquidação duvidosa para os municípios.

Por outro lado, as empresas estão tentando lidar com os crescentes custos trabalhistas e empréstimos, além da falta de energia.

Essas condições podem mudar se o governo decidir afrouxar as políticas monetárias e encorajar o crescimento, como Pequim fez no início de 2009. Mas Chan, do Credit Suisse, diz que o tamanho da dívida da China pode conter os reguladores e levar a um longo período de crescimento mais lento.

Questionado sobre se os empréstimos inadimplentes devem aumentar, Chan disse: "Um aumento na inadimplência é uma obrigação. A questão é, o quanto eles vão aumentar? "