17 de Junho, 2014 - 11:25 ( Brasília )

Geopolítica

Iraque acusa à Arábia Saudita de "apoiar terrorismo"

Maior refinaria do Iraque é fechada; funcionários estrangeiros deixam local

O governo do Iraque afirmou nesta terça-feira que as críticas lançadas ontem pela Arábia Saudita, que disse que o atual conflito iraquiano é consequência das políticas sectárias que praticam as autoridades de Bagdá, são "uma grave interferência nos assuntos internos do Iraque e um apoio ao terrorismo".

Além disso, em comunicado, pediu ao governo de Riad que se "interesse pela situação interna de seu país e cessação suas políticas de marginalização e exclusão".

O governo iraquiano também adverte às autoridades da Arábia Saudita que ao classificar "os terroristas (iraquianos) como revolucionários nos veículos de imprensa sauditas, legalizam os crimes terroristas".

Por último, o executivo iraquiano responsabilizou a Arábia saudita "pela gravidade do que acontece no Iraque".

Ontem, Riad pediu às autoridades do Iraque a formar um governo de união nacional para pôr fim ao atual conflito, do que acusou às "políticas sectárias" do primeiro-ministro iraquiano, o xiita Nouri al-Maliki.

"Os últimos eventos não teriam acontecido sem as políticas sectárias e excludentes praticadas no Iraque nos últimos anos", assinalou o Executivo saudita em comunicado divulgado pela agência de notícias "Spa".

Na opinião de Riad, governada por uma monarquia ultraconservadora sunita, essas políticas ameaçaram "a estabilidade, a segurança e a soberania do Iraque".

O ministro saudita de Informação, Abdelaziz Jauya, assegurou também na nota que as autoridades de Riad rejeitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos do Iraque.

Após sua reunião semanal, o Conselho de Ministros saudita pediu para aplicar reformas políticas e constitucionais para permitir a participação igualitária na tomada de decisões de todos os integrantes do povo iraquiano.

O Iraque é palco de uma insurgência sunita, liderada pelo jihadista Estado Islâmico do Iraque e o Levante (EIIL), contra o regime de al-Maliki.

Os rebeldes tomaram o controle de várias zonas do norte do Iraque, entre elas Mossul - a segunda maior cidade do país e capital de Ninawa - e ameaçam avançar até Bagdá e os santuários xiitas de Karbala e Najaf.

Maior refinaria do Iraque é fechada; funcionários estrangeiros deixam local

TIKRIT Iraque (Reuters) - A maior refinaria de petróleo do Iraque, em Baiji, foi fechada e seus funcionários estrangeiros foram retirados do local, disseram autoridades da refinaria nesta terça-feira, acrescentando que os empregados locais permanecem em seus postos e que os militares ainda controlam a instalação.

Militantes de um grupo dissidente da rede Al Qaeda que invadiram na semana passada a cidade de Mosul, a segunda maior do país, avançaram em direção à refinaria e a cercaram.

A refinaria foi fechada à noite, disseram fontes.