30 de Abril, 2014 - 11:35 ( Brasília )

Geopolítica

Ucrânia: exército em alerta total por possível invasão Russa

Segundo presidente interino da Ucrânia, ameaça de guerra é real

As forças militares da Ucrânia se encontram em "estado de alerta total" contra uma possível invasão das tropas russas posicionadas na fronteira, afirmou o presidente interino Olexander Turchynov durante uma reunião ministerial nesta quarta-feira em Kiev.

"Nossas Forças Armadas se encontram em estado de alerta total. A ameaça da Rússia de começar uma guerra contra o território da Ucrânia é real", disse.
 

A Rússia afirma que não tem planos de invadir o leste da Ucrânia, após ter anexado a península da Crimeia em março, mas as declarações de Turchinov deixam claro que o governo pró-Ocidente de Kiev não vê razão para diminuir o alerta de suas forças.

Kiev acusa Moscou de orquestrar uma revolta armada de separatistas que falam russo no leste da Ucrânia.

Pró-russos atacam passeata em Donetsk

Militantes pró-russos armados atacaram nesta segunda-feira uma manifestação de partidários de Kiev em Donetsk, capital da região à beira de uma insurreição separatista, deixando muitos feridos, relatou uma jornalista da AFP no local.

Os pró-russos lançaram pedras e bombas de efeito moral contra os manifestantes. Várias ambulâncias levaram os feridos para hospitais da região.

Cerca de 1.000 pessoas participaram da passeata pelo centro da cidade em favor da unidade da Ucrânia. Os pró-russos eram cerca de 500.

Policiais que acompanhavam o cortejo tentaram impedir o ataque, aparentemente em vão.

De acordo com as autoridades municipais, quatorze pessoas ficaram feridas, incluindo um jornalista, Evguen Chibalov, de 32 anos, ferido na cabeça.

O jornalista contou à AFP que os manifestantes se reuniram às 18h (12h no horário de Brasília) e foram atacados uma hora depois por homens munidos com paus e pedras.

Homens mascarados ocupam mais uma prefeitura na Ucrânia

Homens mascarados e fardados ocuparam nesta quarta-feira a prefeitura de mais uma cidade da Ucrânia. Segundo a polícia, separatistas pró-russos reforçavam seu controle sobre uma vasta área do leste do país.

A imprensa local disse que os homens chegaram ao alvorecer, e mais tarde eles foram vistos por um fotógrafo da Reuters controlando o acesso à prefeitura da cidade, que tem quase 300 mil habitantes. Eles se recusaram a ser fotografados.

Fortemente armados, eles vestiam o mesmo tipo de farda sem insígnia que foi adotada por outros dos chamados "homens verdes", que ocupam prefeituras de outras cidades na região do Donbas, cinturão siderúrgico e carbonífero na fronteira com a Rússia.

Um policial em Donetsk, a capital provincial onde os separatistas instituíram uma "República Popular de Donetsk", disse que os separatistas também controlam a divisão policial de Horlivka, pois ocuparam a delegacia regional semanas atrás.

Na terça-feira, a prefeitura de Luhansk, capital da província mais oriental da Ucrânia, também havia sido ocupada, mostrando ao governo de Kiev como a região escapou do seu controle.

Os separatistas do leste da Ucrânia marcaram um referendo sobre a secessão para o próximo dia 11. Muitos esperam que a região seguirá o mesmo destino da península da Crimeia, que em março votou por se desligar da Ucrânia e na sequência foi anexada à Rússia. Em ambas as regiões, o idioma russo predomina sobre o ucraniano.

A região do Donbas (abreviatura de Bacia do Donets) tem gigantescas siderúrgicas e outras indústrias pesadas, responsáveis por cerca de um terço da produção industrial ucraniana.

Uma rebelião armada na região começou no começo de abril, e as autoridades provisórias de Kiev se mostraram impotentes, temerosas de atrair uma invasão das dezenas de milhares de soldados russos concentrados no outro lado da fronteira.

Oleksander Turchynov, presidente interino da Ucrânia, reiterou na quarta-feira que a polícia é incapaz de impor o domínio sobre a região.

"Nossa principal tarefa é impedir que a ameaça terrorista se espalhe para outras regiões da Ucrânia", afirmou ele numa reunião regional de governadores em Kiev.

"A liderança russa está fazendo de tudo para impedir a eleição. Mas a eleição ocorrerá em 25 de maio", disse ele, referindo-se ao pleito nacional que escolherá um novo governo.

Autoridades em Kiev disseram que as forças de segurança "liquidaram" três postos de controle dos separatistas perto da cidade de Slaviansk, reduto rebelde do leste, e que os homens armados que ocupavam esse local desapareceram. Não foi possível confirmar a informação de forma independente.