31 de Março, 2014 - 11:15 ( Brasília )

Geopolítica

Tensão entre as Coreias aumenta após troca de fogo no mar


A tensão entre as duas Coreias se intensificou nesta segunda-feira depois que os exércitos de Pyongyang e de Seul trocaram fogo de artilharia sobre as águas da conflituosa fronteira do Mar Amarelo.

Após anunciar o início de novos exercícios com fogo real ao norte da fronteira marítima que separa ambos os países, o Exército Popular norte-coreano lançou cerca de 500 rodadas de artilharia, das quais aproximadamente 100 caíram no lado do Sul, assegurou o Ministério da Defesa de Seul.

Diante dessa ação incomum, a Força Naval sul-coreana respondeu imediatamente com o lançamento de várias dezenas de obuses autopropulsados howitzer K-9 rumo a águas do Norte.

Mais tarde, o exército enviou aviões de combate F-15 à região diante da possibilidade de novos incidentes e aconteceu a evacuação a refúgios dos residentes das ilhas sul-coreanas próximas à fronteira do Mar Amarelo.

Seul também advertiu que o regime norte-coreano enviou cerca de mil canhões de artilharia e 70 aerobarcos ao longo de sua costa sudoeste.

A troca de artilharia na linha fronteiriça foi o primeiro desde novembro de 2010, quando a Coreia do Norte bombardeou a ilha sul-coreana de Yeonpyeong, matando quatro pessoas, duas delas, civis.

 

Os líderes do governo e a oposição na Coreia do Sul condenaram o regime de Kim Jong-un após o incidente de hoje, que qualificaram como "uma provocação" de Pyongyang que põe em risco a paz no nordeste da Ásia.

Por sua vez, a China, aliada histórica da Coreia do Norte e importante parceiro comercial do Sul, pediu a ambos os governos a "atuar com moderação, evitar medidas que possam elevar a tensão e fazer esforços conjuntos para manter a paz e a estabilidade".

A Comissão Militar do Armistício do Comando das Nações Unidas, na fronteiriça aldeia de Panmunjom enviou um fax a Coreia do Norte para pedir que cessação suas manobras com fogo real e propor uma reunião em nível geral para aliviar a tensão.

A disputada fronteira do Mar Amarelo é uma das áreas mais sensíveis e conflituosas da região que foi cenário nos últimos anos de outros fatos mais ou menos graves, como o afundamento da embarcação Cheonan em março de 2010, com 46 mortos, que a Coreia do Sul atribui ao Norte.

A troca de artilharia entre as duas Coreias hoje acirrou ainda mais a tensão em um ambiente já caldeado pelos exercícios militares que Seul e Washington realizam em território sul-coreano do final de fevereiro até 28 de abril e nos quais participam 7.500 soldados americanos.

A Coreia do Norte respondeu as passadas semanas ao Foal Eagle, que considera um "teste de invasão" a seu país, com o lançamento de dezenas de projéteis de curto alcance e dois de seus mísseis Rodong de médio alcance ao mar suscitando uma dura condenação da comunidade internacional.

Além disso, ontem o país comunista anunciou em comunicado que "não descarta um novo tipo de teste atômico para elevar a capacidade de dissuasão nuclear" diante da "ameaça" que os Estados Unidos fizeram.

Hoje, o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Yun Byung-se, advertiu ao Norte que terá que pagar um "alto preço" se realiza outro teste nuclear, embora Seul acredite que não existem sinais no país vizinho que apontem para uma ação iminente desse tipo.

Por outro lado, o progressivo aumento da tensão na península coreana durante as últimas semanas interrompeu o processo promissor de diálogo aberto por Seul e Pyongyang no início do ano com o objetivo de estabelecer uma etapa duradoura de paz.

As duas Coreias protagonizaram em fevereiro seu primeiro encontro de alto nível em sete anos, comemoraram uma histórica reunião de famílias separadas e se comprometeram a continuar as negociações de paz, embora os fatos das semanas passadas tenham gerado mais pessimismo sobre o futuro do processo.

A Coreia do Sul, que conta com o apoio militar dos EUA, permanece tecnicamente em conflito com o Norte desde a Guerra da Coreia (1950-53), finalizada com um armistício que nunca chegou a ser substituído por um tratado de paz definitivo.