21 de Março, 2014 - 18:00 ( Brasília )

Geopolítica

Em meio a clima tenso, chefe da ONU pede ‘diálogo real’ entre Kiev e Moscou para conter crise


ONU no Brasil

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu nesta sexta-feira (21) um “diálogo real” entre Kiev e Moscou para resolver pacificamente a crise atual, durante uma visita à capital ucraniana na sequência de discussões com as autoridades russas na quinta-feira (20).

“Estes são alguns dos momentos mais dramáticos e difíceis na história da Ucrânia”, disse Ban, durante uma coletiva de imprensa em Kiev. “As tensões essão elevadas. Vidas foram perdidas.”

O secretário-geral disse que está “seriamente preocupado” com a situação tensa tanto dentro de partes da Ucrânia, como entre o país e a Rússia. Na quinta-feira (20), Ban se reuniu com o presidente russo Vladimir Putin e seu ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov.

“Essa crise atual só pode ser resolvida por meio de soluções diplomáticas pacíficas, baseadas nos princípios da Carta das Nações Unidas, incluindo o respeito pela soberania, unidade e integridade territorial da Ucrânia, e uma busca estadista determinada por paz e segurança”, afirmou.

“Tem que haver um verdadeiro diálogo entre Kiev e Moscou”, acrescentou.

Meses de instabilidade política na Ucrânia levaram à queda, promovida pelo Parlamento, do presidente Viktor Yanukovich em fevereiro, seguida pelo aumento das tensões na região autônoma da Criméia, onde militares russos foram recentemente implantados e um referendo de secessão foi realizado.

Reiterando sua mensagem em Moscou, Ban Ki-moon disse que, “em tempos como estes”, é vital que todas as partes se abstenham de quaisquer ações provocativas que possam exacerbar ainda mais uma situação já muito tensa e muito volátil.

“A retórica inflamatória pode levar a novas tensões e possíveis erros de cálculo, bem como perigosas reações. A intimidação por elementos radicais tem de ser firmemente evitada. Conto com todas as partes na Ucrânia para garantir que isso seja feito.”

Enquanto em Kiev, o secretário-geral também se reuniu com o chefe da missão de monitoramento de direitos humanos da ONU, implantada recentemente no país, incluindo nas regiões leste e sul.

O vice-secretário-geral da ONU para os Direitos Humanos, Ivan Simonovic, chegou também nesta sexta-feira (21) na Crimeia para uma visita de dois dias que implementarão as bases de uma missão de monitoramento na região.

“Como eu já disse várias vezes, é fundamental que os direitos humanos de todas as pessoas na Ucrânia, especialmente as minorias, sejam respeitados e protegidos”, disse Ban Ki-moon. Ele também disse ao presidente em exercício que a ONU está pronta para ajudar, juntamente com outras organizações, com as próximas eleições, acrescentando que tudo deve ser feito para assegurar que estas eleições sejam transparentes, livres e justas.

“O mundo está assistindo e a história nos julgará sobre a forma como assumimos as nossas responsabilidades e nossas ações, e como elas se relacionam com os princípios fundamentais da Carta das Nações Unidas”, afirmou o chefe da ONU.