29 de Dezembro, 2013 - 13:13 ( Brasília )

Geopolítica

Um general entre Angola e Brasil

Acusado pela PF de tráfico internacional de brasileiras, Bento dos Santos Kangama mantém império obscuro em seu país natal e já cumpriu pena

Cristiane Vieira Teixeira/ Especial para o Estado de Berlim


Com a "Operação Garina", a Polícia Federal do Brasil revelou a história de um general angolano acusado de liderar uma quadrilha de tráfico internacional de brasileiras famosas, prostituídas no país africano. Entre angolanos, porém, a notícia não surpreendeu.

Bento dos Santos Kangamba fez uma obscura carreira no exército angolano e no partido que estánopoder desde a independência, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Segundo Makuta Nkondo, político da oposição angolana, não há dúvidas do envolvimento do general Kangamba na repressão violenta às crescentes manifestações contra o governo de Luanda.

Um dos casos que chamou a atenção foi a morte dos militares da reserva Alves Kamulingue e Isaías Cassule. Eles teriam sido raptados, torturados e assassinados quando organizavam um protesto, em maio de 2012. A Procuradoria-Geral da República de Angola abriu uma investigação e deteve quatro suspeitos ligados ao Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (Sinse).

Nkondo é um dos que acreditam que os homens agiam sob ordens superiores. Entre os detidos está João Fragoso, funcionário da sede provincial do MPLA, dirigida pelo governador e por Kangambâ.

Para Maku-ta Nkondo, o general acusado no Brasil tem "uma milícia privada que reprime os manifestantes e, juntamente com a polícia, está implicada na morte de Kamulingue e Cassule" O esquadrão da morte, diz o opositor, é "intocável".

"O Kangamba, desde que se casou com a sobrinha do presidente (José Eduardo dos Santos), manda em Angola" O general é um conhecido da Justiça angolana. Em 1996, então coronel, falsificou documentos, do exército para fraudar uma importação da empresa portuguesa Filapor e recebeu cinco contentores e meio de mercadorias diversas, cujo valor era então avaliado em US$267 mü dólares. Os produtos nunca chegaram às Forças Armadas angolanas.

Segundo concluiu o Tribunal Supremo Militar, "todas as mercadorias foram recebidas pelo réu Kangamba, comercializadas por si, em proveito próprio, não efetuando o pagamento devido à empresa do seu fornecedor."Apenas para Bento dos Santos Kangamba só veio em 2000 e foi de 2 anos e 8 meses de prisão - a qual ele cumpriu parcialmente tendo sido libertado por I bom comportamento - e o ressarcimento do empresário.

Kangamba é do Comitê Centrai do MPLA. Em 2012, o presidente promoveu à patente de general de três estrelas. No mesmo ano, foi eleito deputado à revelia da Lei Eleitoral, que considera inelegível "os que tenham sido condenados com pena de prisão superior a dois anos".

Segundo o jornalista angolano Adalberto José, o caso provocou forte indignação no país e o general tomou posse, mas depois abdicou. "Acho que isso se deveu à pressão feita pela sociedade civil, sobretudo dos partidos da oposição", diz José.

Rafael Marques de Morais, ativista que este ano recebeu um prêmio da Transparência Internacional, acredita que as relações pessoais com o presidente favoreçam Kangamba. "Em Angola, o presidente é um ditador. Ele faz aquilo que quer, nomeia quem quer e um indivíduo que foi expulso por ter cometido vários crimes, ele reabilitou sem a vontade do exército. Quer dizer, o exército está muito descontente. Os generais acham que esta situação de Kangamba é um abuso fora de série."


O general é também presidente do time de futebol da primeira divisão Kabuscorp. "Ele anda com sacos de dinheiro. De onde ele tira o dinheiro ninguém sabe, porque ele não tem negócios formais que justifiquem essa fortuna. É uma figura sinistra de Angola", diz Morais.