25 de Maio, 2011 - 09:41 ( Brasília )

Geopolítica

Oriente Médio - Premiê de Israel reitera seus limites à paz

Fala de Binyamin Netanyahu ao Congresso dos EUA é recebida por palestinos como "declaração de guerra". Primeiro-ministro disse que israelenses devem ser "firmes sobre como colocar fronteiras" e negou dividir Jerusalém

ANDREA MURTA

O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, reiterou ontem em discurso no Congresso dos EUA os limites exigidos por Israel para um acordo de paz, enquanto sugeriu que o país será "generoso" na cessão de terras aos palestinos.

Netanyahu se manteve firme na defesa da indivisibilidade de Jerusalém, rejeitou o direito de retorno de refugiados palestinos, disse que manterá presença militar na Cisjordânia e que um futuro Estado palestino terá de ser totalmente desmilitarizado.

Ele, contudo, insinuou passos que considera concessões, como a admissão de que Israel terá de sair de alguns assentamentos na Cisjordânia. Disse também que é possível ter "criatividade" com o futuro de Jerusalém, apesar de manter a cidade inteira como capital israelense.

E ainda afirmou que será "generoso" com o tamanho do futuro Estado palestino, ainda que não ceda terras consideradas estratégicas para sua segurança nem Jerusalém Oriental. "Teremos de ser firmes sobre onde colocar as fronteiras."

"Estou disposto a fazer concessões dolorosas. Reconheço que, para uma paz genuína, será exigido que desistamos de partes da terra ancestral judaica."

Netanyahu disse que pensar nas fronteiras de 1967 (antes da Guerra dos Seis Dias) é inaceitável, mas deu a entender que pode aceitar o princípio de trocas de terras mutuamente acordadas entre os dois lados, defendido pelo presidente Barack Obama na semana passada.

O premiê praticamente eliminou a chance de negociações significativas, pois rejeitou diálogo com um governo palestino do qual o grupo radical Hamas faça parte. O Hamas, que controla a faixa de Gaza, fechou em abril acordo de união com o laico Fatah, da Cisjordânia.

O premiê falou sobre o Irã e insistiu em que o regime dos aiatolás só interrompeu seu programa nuclear uma vez e por medo de ação militar. "Quanto mais o Irã crer que todas as opções estão sobre a mesa, menor a chance de confronto", disse.
A segurança que demonstrou em sua fala reflete o apoio que tem entre congressistas americanos, que pouco antes de entrarem em campanha pela reeleição cortejam o eleitorado judaico-americano.

REAÇÃO
Mas o discurso foi recebido com indignação pelos palestinos. Para Nabil Shaat, um dos principais dirigentes do Fatah, foi uma "declaração de guerra".

"Nada podemos fazer a não ser continuar nossa luta na arena internacional", disse Shaat, em relação ao plano da Autoridade Nacional Palestina de declarar seu Estado na ONU, em setembro.

Em Israel, a falta de novidades foi o que mais chamou a atenção, após o gabinete do premiê ter criado expectativa nos últimos dias de que o discurso traria surpresas.

A oposição condenou a falta de um plano para romper o impasse pouco antes de um esperado conflito internacional na ONU, em setembro. E a direita, alicerce da coalizão de Netanyahu, criticou a sugestão de que assentamentos ficarão fora das fronteiras israelenses.