07 de Maio, 2013 - 10:45 ( Brasília )

Geopolítica

Turquia diz que ataques de Israel na Síria são inaceitáveis


O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, condenou nesta terça-feira os recentes ataques israelenses em território sírio. Segundo Erdogan, as ações de Israel são "inaceitáveis" por favorecerem o regime sírio de Bashar al-Assad, de quem o premiê turco é crítico ferrenho. As informações são da rede de notícias CNN. 

"O ataque aéreo israelense em Damasco (capital da Síria) é inaceitável. Nenhuma análise racional, nenhuma razão pode justificar a operação. Estes ataques são uma moeda de barganha, uma oportunidade entregue em uma bandeja de prata nas mãos de Assad, do ilegítimo regime sírio", disse Erdogan. 

"Usando o ataque de Israel como uma desculpa, ele está tentando encobrir o genocídio em Banias", disse. Erdogan estava se referindo a uma cidade costeira da Síria, onde ativistas contrários ao governo disseram que pelo menos 62 pessoas foram mortas por combatentes aliados a Assad no fim de semana.

Israel conduziu dois ataques na Síria no final da semana passada, segundo confirmou à CNN uma autoridade americana. Um dos ataques teve como alvo um depósito de armas que abrigaria mísseis e outro atingiu um centro de pesquisa. A justificativa para o ataque seria a preocupação israelense com a transferência de armas do Irã para o grupo militante Hezbollah, sediado no Líbano, através do território sírio. 

Logo após os ataques, o governo sírio tentou atrelar a operação como apoio israelense aos rebeldes, a quem chama de terroristas, como forma de atacar a legitimidade da oposição. Israel é considerado inimigo pelas duas partes envolvidas na guerra civil síria.
 

Ataque israelense expõe fraqueza militar de Assad*

Já era tarde demais quando as sirenes antiaéreas soaram em um dos mais fortificados quartéis da Síria. Os jatos israelenses já estavam bombardeando o complexo de Hameh, e os funcionários civis nos alojamentos dos arredores corriam para se proteger com suas famílias.

Nas primeiras horas de domingo, a aviação israelense realizou ataques nesse e em vários outros pontos de Damasco e arredores, incluindo contra as defesas antiaéreas do governo de Bashar al-Assad, segundo fontes rebeles e oposicionistas.

Mas nenhum deles teve resultados mais devastadores do que o ataque a Hameh, local vinculado ao programa sírio de armas químicas e biológicas.

"As famílias correram para os porões e permaneceram lá", disse uma testemunha do ataque em Hameh, que iluminou o céu noturno e fez o chão tremer num raio de vários quilômetros.

"Ouvimos ambulâncias. Havia pouquíssimos trabalhadores no complexo naquela hora, mas um ataque dessa escala deve ter matado muitos soltados das guardas e patrulhas."

Os bombardeios geraram temores de que Israel possa entrar na guerra civil da Síria, que segundo a ONU já causou 70 mil mortes em dois anos. A Síria acusa Israel de ter na prática ajudado os rebeldes -- que o governo de Assad diz serem terroristas islâmicos ligados à Al Qaeda.

Fontes ocidentais de inteligência dizem que os ataques serviram para impedir que a síria envie mísseis iranianos para o grupo xiita libanês Hezbollah, que poderia usar esse material contra Israel. A cúpula militar israelense negou a intenção de participar ativamente do conflito sírio.

Fontes da oposição disseram que os bombardeios israelenses também atingiram posições da Guarda Republicana --força de elite de Assad-- no monte Qasioun e na bacia do rio Barada, duas áreas próximas à capital.

Um comandante rebelde disse que as forças de Assad vinham fortificando suas posições no monte Qasioun desde março de 2011, mas que isso não impediu que os israelenses bombardeassem seus arsenais. Segundo essa fonte, as defesas antiaéreas de Assad, já debilitadas por causa da guerra civil, "nada puderam fazer" contra o ataque.

Por causa de restrições do governo sírio ao trabalho da imprensa, não foi possível verificar os relatos de forma independente.


*Reuters