COBERTURA ESPECIAL - F-X2 - Tecnologia

04 de Abril, 2012 - 09:34 ( Brasília )

De olho na venda de caças, Boeing anuncia centro de pesquisa no Brasil

País será o 6º a ter um centro de desenvolvimento tecnologia da empresa. Boing disputa com Dassault e Saab a venda de caças para a Aeronáutica.

Darlan Alvarenga

A norte-americana Boeing anunciou nesta terça-feira (3) que pretende abrir ainda neste ano um centro de pesquisa e tecnologia em São Paulo, para promover parcerias com pesquisadores e universidades do país no desenvolvimento de tecnologias aeroespaciais, com investimento inicial estimado em entre US$ 4 milhões e US$ 5 milhões anuais.

O Brasil será o sexto país fora dos Estados Unidos a abrigar um centro de pesquisa da Boeing, que já mantém departamentos voltados para o desenvolvimento de inovação e novas tecnologias em Madri, Austrália, Rússia, Índia e China – nestes dois últimos países, abertos em 2009.

Segundo a fabricante de aeronaves, a ideia é que o centro no Brasil comece a ser estruturado a partir de maio. Inicialmente, a unidade funcionará dentro do escritório da empresa em São Paulo, e o foco será identificar potenciais parcerias com centros de pesquisas avançadas locais. O modelo não envolve necessariamente instalações avançadas ou contratação de dezenas de engenheiros.

"Esperamos ter algo parecido com a China, com uma equipe reduzida, procurando inicialmente entender as tecnologias mais trabalhadas no Brasil", disse Al Bryant, vice-presidente de pesquisa e tecnologia da empresa, responsável pela montagem do novo centro.

A Boieng não divulgou o valor do investimento no Brasil. “Nos outros países, o valor de investimento no estágio inicial foi entre US$ 4 milhões e US$ 5 milhões por ano. Acredito que a tendência seja essa”, afirmou Bryant.

Segundo o executivo, o foco de pesquisa no Brasil inclui biocombustíveis de aviação, gestão avançada de tráfego aéreo, metais avançados, ligas de nova geração, e tecnologias de suporte de serviços.

Embora admita que entre ambições da empresa no Brasil está ser escolhida pelo governo brasileiro para a oferta de novos caças para a Aerounática – a fabricante concorre com a francesa Dassault e a sueca Saab -, a Boenig diz que o centro de pesquisa no Brasil representa um interesse de longo prazo no país, independe do modelo F-18 ser escolhido ou não na disputa.

“Caça é venda, o centro é investimento”, afirmou a presidente da Boeing Brasil, Donna Hrinak. “Se o F-18 não ganhar a concorrência, vai ser completamente igual. Esse centro de pesquisa vai se estabelecer e trabalhar com muitos parceiros brasileiros”, garantiu.

Visita de Dilma aos EUA

A executiva afirmou que o centro de pesquisa garante maior presença da empresa no país e reforça seu interesse na disputa. Ela considera natural, no entanto, o assunto ser um dos temas a serem dependidos pelo governo norte-americano durante a próxima visita da presidente Dilma Roussef aos Estados Unidos.

“Seria natural aproveitar a visita da presidente para falar não somente da concorrência do FX, mas também da parceria que os dois países podem estabelecer na área de aviação, tanto militar como civil, e na área de tecnologia e pesquisa”, afirmou.

A compra de novos caças para a Aeronáutica está em discussão desde o governo Lula. O ex-presidente deixou a decisão sobre a compra para a sucessora. A expectativa é que a escolha possa ser anunciada ainda neste primeiro semestre.

A Boeing prevê que o Brasil irá adquirir mais de 1.000 aviões nos próximos 20 anos a um custo de mais de US$ 100 bilhões de dólares.



Outras coberturas especiais


Nuclear

Nuclear

Última atualização 20 SET, 16:30

MAIS LIDAS

F-X2