COBERTURA ESPECIAL - F-X2 - Aviação

21 de Novembro, 2011 - 21:59 ( Brasília )

Boeing e Obama Afinam Discurso


Texto adaptado e editado da Bloomberg


Mesmo com divergências internas sobre relocação da planta do B787, o governo Obama apoia de forma integral as grandes americanas (Boeing e LM) em conquistar os mercados civis e militares de tecnologia no mundo.

O presidente Barack Obama viajou para a região Ásia-Pacífico e encontrou algo que não tem em casa: elogios da comunidade empresarial.

A viagem de nove dias do do presidente  à região começou com um fórum no Havaí,  ao lado do CEO da Boeing Jim McNerney e continuou na  Indonésia com o anúncio, do que será uma venda recorde de aviões da empresa sediada em Chicago.
 
Obama promoveu como um marco para a sua agenda comercial. "Este é um exemplo de uma situação ganha-ganha, onde as pessoas da região vão poder beneficiar-se de uma companhia aérea excepcional", disse Obama, em Bali, 18 de novembro, ao lado de executivos da Boeing e seu cliente, a companhia aérea da Indonésia Lion Air . "Nossos trabalhadores  vão produzir um excelente produto feito nos Estados Unidos."

Com paradas esta semana em Honolulu, na cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, na Austrália e na Indonésia para reuniões com líderes asiáticos do sudeste, Obama tem repetidamente realçado a necessidade de aumentar as exportações para mercados asiáticos para acelerar a recuperação económica nos EUA e derrubar a taxa de desemprego que alcança 9 por cento.

O acordo com a Lion Air e Boeing envolve a compra de 230 aviões no valor de US $ 22 bilhões, com opções para outros 150 aviões avaliados em US $ 14 bilhões. A Casa Branca diz que espera que o acordo beneficie mais de 110 mil empregos nos EUA, diretor na Boeing e de fornecedores em 43 estados.

'Decisão Estratégica "

Em 17 de novembro, durante discurso ao Parlamento da Austrália, o presidente disse que ele fez uma "decisão deliberada e estratégica" que os EUA devem ter um papel a longo prazo na Ásia, que responde por metade da economia global.

"Eu não acho que a comunidade empresarialnão  tenha compreendido a abrangência da sua abordagem aqui fora", disse McNerney.  Obama durante a conferência de novembro no Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, em Honolulu, junto a 12  CEOs de multinacionais: "Tudo tem ligação  e  juntos:. segurança, ambiente de negócios, melhoria do comércio bilateral"

Os EUA exportaram 326,4 bilhões dólares em 2010 para a Pacific Rim (Orla do Pacífico),  de bens e serviços, segundo dados do Censo dos EUA, acima dos 254,6 bilhões dólares em 2009. Que excederam as exportações americanas à União Européia ou para o Canadá. De 2000 a 2010, as exportações para a Orla do Pacífico aumentaram 71,5 por cento.

Apreciação

McNerney, que é presidente do Export Council, disse no Fórum de Honolulu, que muitas empresas têm-se beneficiado com "a firmeza" do governo no apoio a medidas na Organização Mundial do Comércio. "Nós apreciamos isso", disse ele.

McNerney disse também que Obama tem "feito um esforço maior do que qualquer administração recente" para facilitar os controles de exportação sobre itens que têm usos civis e militares, que irá beneficiar as empresas da defesa como a Boeing e a Lockheed Martin Corp.

Críticos de negócios

Enquanto a administração Obama aprovou menos regulamentos durante os primeiros 22 meses no governo do que seu antecessor, o republicano, George W. Bush, no mesmo período de tempo, a sua revisão do sistema de saúde e os regulamentos financeiros estão entre as principais fontes de reclamações de empresas.

Os críticos, incluindo a Câmara de Comércio dos EUA, os executivos, tais como Ivan Seidenberg, da Verizon e republicanos no Congresso discutem o ambiente regulatório vai criar incertezas, que freiem as empresas de fazer investimentos que estimulassem novas contratações.

Um exemplo citado por congressistas republicanos e grupos empresariais liderado pela Câmara de Comércio é uma reclamação apresentada pelo Conselho Nacional de Relações do Trabalho contra a Boeing, em abril. A NLRB, cuja maioria dos membros foram nomeados por Obama, acusa a Boeing de violar as leis trabalhistas ao decidir construir uma nova planta para o B787 Dreamliner, na Carolina do Sul. O conselho argumenta que a empresa fez isto para retaliar contra os sindicatos, que fizeram greves em seu centro de produção no estado de Washington.

Enquanto a venda anunciada na Indonésia, não vai resolver as diferenças sobre a queixa da NRLB, ele demonstra que a administração e uma empresa multinacional ainda podem trabalhar para um resultado mutuamente benéfico, de acordo com um executivo que trabalha regularmente com a Casa Branca e se recusou a ser identificado.

Obama disse que seu governo foi fundamental para facilitar o acordo e agradeceu aos membros de seu governo,  pelos seus "obstinados" os esforços para concluir o negócio.

O presidente também prestou homenagem a Boeing,  o que produziu  o avião que serve como Air Force One.

“I want to congratulate Boeing for making outstanding planes. Including the one that I fly on,” declarou Obama.

Nota DefesaNet

Durante a o Fórum da ASEAN, em Bali, o presidente Obama teve reuniões com  o Primeiro–Ministro Manmohan Singh, da Índia. È lícito pensar que o assunto MMRCA tenha vindo à mesa. Às vésperas de abrir as ofertas dos caças Dassault Rafale e  Eurofighter Typhoon no programa  MMRCA  o Departamento de Estado divulgou  o documento Report to Congress on U.S.-India Security Cooperation. Nada mais nada menos,que abre a porta para a Índia ao Programa F-35.

A Índia ainda está avaliando as propostas da França e do Consórcio Eurofighter e não emitiu opinião.

Nos Emirados Árabes uma inusitada declaração do Emir responsável pela defesa, em termos inusitados, parece que pedia tempo às pressões americanas. Já era de conhecimento que não seria nada decidido no Dubai Air Show, 13-17 novembro.

O primeiro-ministro Alain Juppé, em uma primeira fase, e depois o próprio Sarkozy iria carimbar a compra.

 Resta a pergunta e o Brasil. O esfriamento nas relações Obama – Dilma, mais que gélidas na reunião do G-20 indica algo?

A estratégia americana está lançada com o reforço da entrada da ex-embaixadora Donna Hrinak

DefesaNet

Donna Hrinak é nomeada para liderar a Boeing no Brasil 28 Setembro 2011 Link

Emirados Árabes desistem de comprar os caças Rafale, afirma Les Echos  18 Novembro 2011 Link



Outras coberturas especiais


OTAN

OTAN

Última atualização 25 SET, 11:45

MAIS LIDAS

F-X2