COBERTURA ESPECIAL - F-X2

20 de Novembro, 2010 - 14:00 ( Brasília )

Boeing: compra de caças 'virou um faroeste'

Empresa tenta apresentar nova proposta ao governo brasileiro; Ministério da Defesa reafirma que decisão é de Lula

Boeing: compra de caças 'virou um faroeste'

Empresa tenta apresentar nova proposta ao governo brasileiro;
Ministério da Defesa reafirma que decisão é de Lula


Francisco Leali

 
 

DefesaNet

É claro pelo texto do jornalista Leali que a Boeing sente-se mais a vontade no atual momento do mercado internacional de aeronaves de combate, em especial, após a assinatura do contrato plurinaual com a US Navy para 124 caças F/A-18 e EA-18. O que estende a produção do F/A-18 Super Hornet até cerca de 2020.

Também o anúncio de uma nova versão do F-18 e os bons contratos na Arábia Saudita de 84 do F-15SA e o upgrade de mais 70 F-15S ao padrão

BRASÍLIA. Na reta final para que o governo anuncie o vencedor da licitação para compra de novos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB), a empresa americana Boeing, que ofereceu F18 Super Hornet, pela primeira vez faz críticas abertas ao governo brasileiro. Os americanos não estão nada satisfeitos com as notícias de que o Ministério da Defesa só teria tratado do assunto com a Dassault, empresa francesa que quer vender para o Brasil o caça Rafale. E querem que eles também tenham a oportunidade de apresentar uma nova proposta.

- Se estão negociando com outros competidores, não acho que isso é certo - disse Mike Coggins, gerente-sênior de Desenvolvimento de Negócios da Boeing Defesa.

Há seis meses sem receber notícias oficiais da licitação, a Boeing sustenta que o governo brasileiro não tem mais como ter uma garantia formal do preço que está negociando. Isso porque todas as ofertas feitas para a FAB no ano passado tinham validade apenas até junho de 2010. Ou seja, as propostas apresentadas por eles, pelos franceses e os suecos da SAAB - a terceira participante da licitação - já expiraram.

- Agora, virou um faroeste - disse Coggins.

Segundo Joseph McAndrew, vice-presidente da Boeing Defesa para Europa, Israel e Américas, a empresa americana quer ter o direito de reapresentar sua proposta, tendo em vista a validade da enviada à FAB no ano passado. Ele confirma que a empresa tentou novo contato com a Força Aérea para tratar do assunto, mas a resposta seria de que o processo já não estava com os militares. A FAB já apresentou relatório final ao Ministério da Defesa, que também já elaborou um documento para embasar a decisão do presidente Lula. Nos últimos dias, Lula reafirmou que vai escolher o novo caça após conversar sobre o tema com a presidente eleita, Dilma Rousseff.

- A nova administração pode ter novas prioridades e nós queremos ter a oportunidade de apresentar uma proposta para atendê-las - comentou Joseph McAndrew.

O Ministério da Defesa informou ontem que não iria se manifestar sobre as críticas da Boeing. Segundo o ministério, a decisão agora será tomada pelo presidente da República. Em 2009, Lula já tinha manifestado predileção pelo caça francês e chegou a anunciar que acertaria o negócio com o presidente daquele país, Nicolas Sarkozy, que estava no Brasil para assistir ao desfile militar de 7 de Setembro.

O processo de compra de novos caças para a FAB começou ainda no governo Fernando Henrique Cardoso. Na época, quatro consórcios disputavam o negócio. Entre eles, americanos, russos, suecos e franceses. O processo se arrastou até o fim de 2002 e Fernando Henrique preferiu adiar o assunto para o próximo governo. Lula assumiu o cargo e suspendeu a compra. Uma nova licitação foi aberta. Nesse processo mais uma vez disputavam o negócio americanos, suecos, franceses e também russos. Depois da análise de todas as propostas, mais uma vez o governo desistiu da compra e abriu novo processo. Desta vez exigindo aeronaves ainda mais modernas e caras. É nessa licitação que o Rafale aparece como o preferido do governo.



Outras coberturas especiais


Especial Espaço

Especial Espaço

Última atualização 24 NOV, 15:00

MAIS LIDAS

F-X2