COBERTURA ESPECIAL - F-X2 - Aviação

14 de Outubro, 2013 - 10:30 ( Brasília )

‘Progresso’ em venda de caças foi ‘adiado’ sem ida de Dilma aos EUA, diz Boeing


Pablo Uchoa

A presidente da Boeing no Brasil, a ex-embaixadora dos EUA em Brasília Donna Hrinak, disse nesta sexta-feira que o “progresso” nas negociações entre a empresa e o governo brasileiro para a compra de caças para a FAB (Força Aérea Brasileira) foi “adiado” na mesma medida em que também foi adiada a vista de Estado da presidente Dilma Rousseff a Washington, marcada inicialmente para este mês.

Falando durante uma conferência sobre o Brasil na capital americana, Donna Hrinak disse porém que a companhia ainda acredita que está oferecendo “o melhor pacote em termos de inovação” e defendeu a escolha de sua companhia para fornecer as aeronaves, independentemente das tensões entre os dois países por conta do escândalo de espionagem.

“Lamentei muito, porque acho que era a coisa certa a se fazer (o governo brasileiro aceitar a oferta americana) na hora certa”, disse Hrinak, durante o evento promovido pelo centro de estudos Wilson Center. “Isto dito, acho que as razões do adiamento foram certamente compreensíveis.”

“Esperávamos que a visita de Estado sinalizasse que o Brasil e os EUA quisessem o tipo de parceira estratégica que tornasse possível para o Brasil decidir a nosso favor. O adiamento da visita significa que qualquer progresso a esse respeito também foi adiado”, continuou Hrinak.

“Espero que, indepentemente de quão justificado seja o ultraje do Brasil com a NSA (agência do governo dos Estados Unidos responsável por fazer espionagem eletrônica), isso não leve as pessoas a ignorar os benefícios que podem advir dessa parceria.”

A Boeing (com seu caça FA-18 Super Hornet) está disputando com a francesa Dassault (caça Rafale) e a sueca Saab (caça Gripen NG) a preferência do governo brasileiro, que pretende comprar 36 aeronaves para a FAB em um contrato estimado em US$ 4 bilhões. Entre as cláusulas estarão requerimentos de transferência de tecnologia para o Brasil.

O processo começou em 2001 e ficou paralisado entre 2005 e 2008 por causa da conjuntura internacional. Em agosto, o comandante da FAB, Juniti Saito, disse que o governo Dilma pretende encerrá-lo “em curto prazo”.

Lamentações

A conferência está sendo realizada a apenas 12 dias da data em que a presidente Dilma Rousseff planejava visitar os EUA em caráter de Estado, em 23 de outubro. A visita foi oficialmente “adiada” – sem nova data para acontecer – após os escândalos envolvendo as denúncias de espionagem da NSA sobre a própria presidente Dilma Rousseff, seus ministros e a Petrobras.

Na abertura do seminário, o ex-embaixador americano no Brasil Anthony Harrington, presidente da Câmara de Comércio Brasil-EUA, disse que as razões para a visita continuam “profundas e válidas”.

Ele defendeu que o setor empresarial dos dois países continue trabalhando para reforçar as parcerias – principalmente no campo da inovação, área de interesse para o Brasil – e deixe as questões envolvendo a NSA “para os diplomatas”.

Mas o ex-diplomata brincou que o adiamento da visita foi provavelmente um “presente” de Dilma para presidente Barack Obama, pois poderia se dar em um momento em que, ironicamente, o governo federal continua fechado para os negócios.

O setor aéreo é uma das áreas em que Brasil e EUA têm um diálogo estratégico desde 2012, e no qual poderiam buscar resultados a partir de uma visita de Dilma a Washington.

O presidente da Embraer, Gary Spulak, ressaltou que 13 projetos destinados ao primeiro ano do diálogo aeroespacial – 90% do total – foram completados dentro do tempo, e que outras iniciativas, com horizonte de dois anos, devem ser estabelecidas em novos encontros do setor previstos para este mês.

Os projetos envolvem áreas como infraestrutura aérea, desenvolvimento de negócios, tráfego aéreo e certificação de aeronaves. O presidente da Embraer avaliou que este modelo de cooperação poderia se estender para outras áreas, como petróleo e gás e têxtil.

“Há tanto progresso em tantas frentes entre os nossos países”, afirmou o executivo. “Esse ímpeto existe e criou vida própria porque é bom para ambos os países e as companhias do setor privado que operam (nos dois países).”



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 22 SET, 16:00

MAIS LIDAS

F-X2