COBERTURA ESPECIAL - Floresta Verde - Inteligência

23 de Julho, 2019 - 19:28 ( Brasília )

PF desarticula organização criminosa que praticava crimes cibernéticos

Grupo atuava no estado de São Paulo; sete Mandados de Busca e Apreensão e quatro Mandados de Prisão Temporária foram cumpridos


Polícia Federal
23 Julho 2019  16h58

Brasília/DF – A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (23/07), a Operação spoofing* com o objetivo de desarticular organização criminosa que praticava crimes cibernéticos.

Foram cumpridas onze ordens judiciais, sendo sete Mandados de Busca e Apreensão e quatro Mandados de Prisão Temporária, nas cidades de São Paulo/SP, Araraquara/SP e Ribeirão Preto/SP.

As investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados.

As informações se restringem às divulgadas na presente nota.

*Spoofing é um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.

PF prende 4 suspeitos de hackear celulares de Moro e Deltan

Operação Spoofing, deflagrada nesta terça, 23, cumpriu quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão, em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto por ordem do juiz da 10 .ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

23 de julho de 2019 | 16h56

A Polícia Federal abriu a Operação Spoofing nesta terça-feira, 23, e prendeu 4 suspeitos de invadir o celular do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do procurador da República e coordenador da Operação Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol. A ação foi determinada pelo juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira.

A Federal prendeu um homem e uma mulher na capital e outros dois homens em Araraquara e Ribeirão Preto.

Além de Moro, procuradores da força-tarefa da Lava Jato no Paraná e outras autoridades foram hackeados – no mandado de buscas, há menção ao desembargador federal Abel Gomes (Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no Rio), ao juiz federal Flávio Lucas (18ª Vara Federal do Rio) e delegados Rafael Fernandes, da PF em São Paulo, e Flávio Vieitez Reis, em Campinas.

Diálogos mantidos no auge da investigação entre eles e o então juiz Sérgio Moro foram vazados e publicados pelo site The Intercept, indicando um suposto conluio. Moro e os procuradores não reconhecem a autenticidade das mensagens a eles atribuídas.

A PF cumpriu quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto. Os mandados foram cumpridos pelo delegado da PF Luiz Flávio Zampronha, que investigou o escândalo do Mensalão.

Um dos endereços de buscas é a residência da mãe de um dos suspeitos, preso na capital paulista. Ele trabalha com shows e eventos, segundo investigadores.

“As investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados”, informou a PF.



Spoofing, segundo a Federal, é um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é. A operação mira uma ‘organização criminosa que praticava crimes cibernéticos’.

Moro teve o aparelho celular desativado em 4 de junho, após perceber que havia sido alvo de ataque virtual. O celular do ministro foi invadido por volta das 18h. Ele só percebeu após receber três telefonemas do seu próprio número. O ex-juiz, então, acionou investigadores da Polícia Federal, informando da suspeita de clonagem.

O último acesso de Moro ao aparelho foi registrado no WhatsApp às 18h23 daquele dia. O hacker tentou se passar pelo ministro no Telegram.

Joice e Guedes

A Polícia Federal informou nesta terça-feira que vai investigar a suposta invasão de hackers nos aparelhos celulares do ministro da Economia, Paulo Guedes, e da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP). A parlamentar disse que teve seu telefone celular clonado na madrugada de domingo, 21. Já o celular do ministro teria sido hackeado na noite desta segunda-feira, 22.

A apuração sobre o caso envolvendo a deputada Joice está mais avançada. Assim que tomou conhecimento da invasão, na segunda-feira, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, determinou que a Polícia Federal abrisse uma investigação para apurar a denúncia. A denúncia feita pela deputada foi encaminhada à corregedoria da PF, que decidiu abrir um inquérito para apurar a invasão.

Sobre a possível invasão do celular de Guedes, a assessoria do Ministério da Economia disse que, na noite de segunda-feira, 22, o celular do ministro havia sido hackeado. Em mensagem distribuída a jornalistas, a assessoria pediu que mensagens vindas do número de Guedes e de outras pessoas do gabinete fossem desconsideradas.
 

Suspeitos de invadir o celular de Moro são transferidos para Brasília


Quatro acusados devem prestar depoimento na Superintendência da PF no Distrito Federal após serem presos em São Paulo
 

Renato Souza
Correio Braziliense 19:30


A Polícia Federal transferiu para Brasília quatro presos que são suspeitos de terem realizado a invasão ao celular do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e de juiz em diversos estados. Três homens e uma mulher, que foram detidos em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto, devem prestar depoimento na Superintendência da corporação no Distrito Federal.

O voo deve chegar ao hangar da PF no Aeroporto Juscelino Kubitschek ainda na noite desta terça-feira (23). O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, expediu mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão. Os nomes dos presos serão divulgados oficialmente ao meio-dia desta quarta-feira (24).

Além de Moro, a PF suspeita que os integrantes do grupo invadiram os celulares do desembargador Federal Abel Gomes, do Tribunal Regional da Federal (TRF) da 2ª região; do juiz federal Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro, e dos delegados federais Rafael Fernandes, de São Paulo, e Flávio Reis, de Campinas. 

De acordo com a PF, a Operação Spoofing como foi batizada a ação que levou a prisão dos acusados,  segue "para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados". Ainda de acordo com a corporação, "Spoofing é um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é".



Outras coberturas especiais


TOA

TOA

Última atualização 17 NOV, 11:16

MAIS LIDAS

Floresta Verde