COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Inteligência

22 de Novembro, 2018 - 13:30 ( Brasília )

BR-PY - EPP – Ataca e Mata Brasiguaio

Guerrilha marxista Exército do Povo Paraguaio mata brasileiro e exige fim de plantações de soja e desmatamento no Paraguai


 
Luis Adorno
UOL

A guerrilha marxista paraguaia EPP (Exército do Povo Paraguaio) sequestrou em uma fazenda de San Pedro, no Paraguai, o brasileiro Valmir de Campos, 48, na última segunda-feira (20), que extraia madeira no local. Documento obtido por um órgão de investigação nacional brasileiro aponta que ele foi encontrado morto, com 11 tiros.
 
Campos é sobrinho do prefeito da cidade de Coronel Sapucaia (na divisa com o Paraguai, a 400 km de Campo Grande), Rudy Paetzol. Segundo investigação da polícia paraguaia, ele foi sequestrado por seis homens munidos de armas de grosso calibre. Na fazenda onde ele foi capturado, os guerrilheiros deixaram um panfleto exigindo o fim da plantação de soja e do desmatamento de áreas de florestais da região.
 
Além do panfleto com as exigências, o grupo deixou um rastro de incêndio no local. A guerrilha queimou máquinas utilizadas na área, como tratores, carros e caminhões. A mesma fazenda já havia sido atacada pelo EPP em 2015. Na época, duas pessoas foram mortas e tiveram seus corpos esquartejados, de acordo com a polícia nacional do Paraguai.
 
A ação de empresários do ramo agropecuário de origem brasileira em território paraguaio desagrada o EPP. Por isso, brasileiros residentes na área de fronteira já foram alvo da guerrilha.
 
De acordo com as Forças Armadas do Paraguai, Campos foi sequestrado por volta das 23h45 de domingo (19) e assassinado durante a madrugada. Outros dois brasileiros e três paraguaios foram liberados no dia seguinte. Policiais e membros do MP (Ministério Público) investigam o caso.
 
Guerrilha rural marxista
 
O EPP é uma guerrilha rural que atua no norte do Paraguai em uma região que faz fronteira com o Mato Grosso do Sul. A milícia é acusada de dezenas de mortes de policiais e militares, além de ataques a políticos e sequestros. O governo do Paraguai a classifica como grupo terrorista.
 
A guerrilha surgiu no início dos anos 2000 de membros do Partido Patria Libre que inicialmente lutava pela reforma agrária, mas decidiu pegar em armas. Membros do grupo foram acusados do assassinato de Cecília Cubas, filha do ex-presidente paraguaio Raul Cubas, em 2005.
 
No final da década de 2010, o grupo adotou seu nome atual e intensificou as ações de guerrilha. Na época, havia entre 100 e 200 integrantes ativos. Eles eram uma guerrilha rural que baseava suas operações no Chaco – uma área de floresta no norte do Paraguai, pouco povoada, que faz fronteira com o Mato Grosso do Sul.
 
Esses guerrilheiros fizeram dezenas de ataques contra forças militares e policiais do Paraguai, realizaram sequestros de fazendeiros e empresários, além de invadir fazendas. Eles também foram acusados da tentativa de assassinato de um senador paraguaio. Entre suas vítimas estavam paraguaios, brasileiros e também "brasiguaios" – como são chamados brasileiros que vivem do lado paraguaio da fronteira.
 
O governo do Paraguai chegou a decretar estado de exceção no norte do país em 2010 e 2011, por períodos de 60 dias, para combater os guerrilheiros. Os departamentos de San Pedro e Concepción se tornaram áreas militarizadas, mas o movimento não foi debelado. Na época, foi apreendido um documento do grupo que previa a instalação de linhas logísticas de retaguarda em território brasileiro.
 
A ideia dos guerrilheiros era obter armas, munição e alimentos no Brasil para dar apoio às suas operações no Paraguai. Autoridades paraguaias pensavam, porém, que a base seria instalada próximo à fronteira.

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 13 DEZ, 12:50

MAIS LIDAS

Fronteiras