COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Segurança

01 de Outubro, 2018 - 09:50 ( Brasília )

Ministro da Segurança Pública e autoridades da Defesa visitam Operação Ágata Graal

3.500 km de fronteira fechada por Operação Conjunta das Forças Armadas

Ten Cristiane dos Santos, Ten Felipe Bueno e Ten-Cel Bruno Pedra

Nesta sexta-feira (28/09), o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, visitou as cidades de Cascavel e Guaíra, no Paraná, com o objetivo de conhecer os resultados obtidos com a Operação Ágata Graal. O Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho, e o Chefe de Operações Conjuntas (CHOC) do Ministério da Defesa, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, também compuseram a comitiva, dentre outras autoridades.

O Ministro Raul Jungmann falou sobre a importância das operações fronteiriças para o combate ao crime organizado nas regiões metropolitanas. “Muitos dos problemas das metrópoles e capitais, em grande medida, se iniciam na fronteira, pois é onde há grande parte do contrabando de drogas e armas e, inclusive, expansão do crime organizado”, afirmou.

De acordo com o chefe do EMCFA, Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho, a atividade também teve por objetivo testar estruturas de comando e controle em níveis táticos. “Nós planejamos esta operação como um laboratório para verificar a integração tática das Forças Armadas e testar um novo emprego das Forças Tarefas Conjuntas. Posso dizer que estamos muito satisfeitos da forma como funcionou”, disse.



A sede da Operação Ágata Graal foi Cascavel (PR), sob o Comando do Major-Brigadeiro do Ar Ricardo Cesar Mangrich. Esta foi a primeira vez que a Força Aérea Brasileira comandou uma Operação Conjunta. Segundo o oficial-general, a missão foi cumprida com sucesso. “O objetivo da Operação era interromper totalmente as rotas de tráfico de drogas, contrabando e demais ilícitos transnacionais, por ar, terra e água”.

Para o Chefe de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, Tenente-Brigadeiro Baptista Junior, a atividade atingiu a sua meta. “Esta é uma atividade que prova que juntos somos mais fortes. Para isto, as Forças precisam, cada vez mais, trabalhar juntas”, complementou.



OPERAÇÃO

A atividade foi realizada nos dias 24 e 25 de setembro, com o fechamento da fronteira ocidental ao longo de uma faixa de 3.500 km nos estados de Mato Grosso (MT), Mato Grosso do Sul (MS), Paraná (PR) e Santa Catarina (SC).

A Operação Ágata Graal englobou vigilância do espaço aéreo, ações de bloqueio de estradas e patrulhas terrestres e fluviais. Em ação conjunta, a Força Aérea Brasileira, o Exército Brasileiro, a Marinha do Brasil e órgãos de segurança pública e de fiscalização testaram as estruturas em diversos níveis de comando e controle, visando ao combate a crimes ambientais e ilícitos nacionais e transnacionais, como narcotráfico, contrabando de armas e munições.

Sob a responsabilidade do Ministério da Defesa e com coordenação do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, a Operação Ágata Graal integra o Plano Estratégico de Fronteiras do Governo Federal. A atividade contou com a participação de mais de 3 mil militares e civis, 30 aeronaves, 15 embarcações fluviais e 499 veículos e 20 blindados.


Fotos: Cabo André Feitosa/CECOMSAER

VEJA MAIS