COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Aviação

27 de Setembro, 2011 - 10:05 ( Brasília )

Operação Ágata 2 interceptou 33 aeronaves na fronteira


O Diário (PR)

A Operação Ágata 2 interceptou 33 aeronaves na região de fronteira do Brasil com o Uruguai, Argentina e Paraguai, sendo 27 em situação regular. As outras seis deixaram o espaço aéreo brasileiro depois da abordagem dos pilotos. A missão é cumprida por caças A-29 Super Tucano, que decolam de Maringá (PR), Dourados (MS) e Campo Grande (MS), além dos supersônicos F-5EM de Canoas (RS).

Assim como nas patrulhas na superfície realizadas pelo Exército e pela Marinha para combater delitos fronteiriços e ambientais, o objetivo da Força Aérea Brasileira (FAB) é primeiro localizar e averiguar cada avião suspeito, tudo de acordo com as Medidas de Policiamento do Espaço Aéreo.

"As medidas realizadas são para identificar se o piloto tem um plano de voo regular, se está cumprindo as ordens dos órgãos de controle do espaço aéreo", explica o Tenente Coronel André Monteiro, Comandante do Esquadrão Flecha, uma das três unidades de caça da FAB equipadas com caças A-29 Super Tucano.

Para localizar os alvos, o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) conta com a rede de radares do Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II), de Curitiba (PR), e com o E-99, avião-radar que consegue detectar até aeronaves voando em baixa altitude. Em contato direto com o piloto de caça, o Comando pode determinar cada uma das ações, que vão desde o acompanhamento à distância do voo até o uso das metralhadoras calibre 12,75 mm.