COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Tecnologia

26 de Abril, 2016 - 20:00 ( Brasília )

Itaipu e Exército testam sistema de energia para PEFs e SISFRON

Primeira fase do projeto de Sistema de Energia será testada no quartel-general do Exército em Brasília. Inauguração foi na terça-feira (26ABR2016).



Já está em funcionamento no quartel-general do Exército Brasileiro, em Brasília (DF), o projeto-piloto de segurança energética – módulo 1 de Armazenamento de Energia, que deverá ser replicado, num futuro próximo, em áreas isoladas do País. A iniciativa é uma parceria da Itaipu Binacional, Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI) e Exército. A primeira fase inaugurada na terça-feira (26ABR2016) vai atender os escritórios, o sistema de segurança sul do quartel e fornecerá energia para um eletroposto, que abastecerá veículos elétricos.

O sistema é o primeiro do Brasil e um dos poucos do mundo que pode usar várias fontes de energia ao mesmo tempo. Inicialmente, será abastecido por energia solar. Para isso, foram instalados 360 painéis fotovoltaicos conectados a seis inversores solares com potência total de 90 kW.

O armazenamento e a segurança energética do projeto são garantidos pelo uso de baterias. A diretoria da usina forneceu as baterias (FIAMM) e o sistema de armazenamento de energia (Ingrid), além de um veículo elétrico em comodato e um eletroposto. A instalação é uma ação conjunta dos parceiros da Itaipu, a FPTI e o próprio Exército.

Segundo o comandante do Exército Brasileiro, General-de-Exército Eduardo Villas Bôas, um dos grandes gargalos, se não o maior, para o desenvolvimento e implantação de sistemas de defesa do Brasil está exatamente na área de armazenamento de energia. “Esse projeto abre uma perspectiva enorme, concreta e de longo prazo para avançarmos.”

Depois do quartel, a ideia é implantar o sistema no Pelotão Especial de Fronteira (PEF) de Tunuí Cachoeira, no Amazonas, com a perspectiva de replicação em todos os demais. A expectativa é melhorar a disponibilidade de energia elétrica para a comunidade daquela região, utilizando os raios solares, uma fonte limpa e renovável.

A mesma solução poderá ser replicada, futuramente, em outros pontos isolados da extensa área de fronteira do País e que também não são atendidos pelo sistema interligado nacional (SIN). “Há um leque, uma perspectiva muito grande.”

Para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, esse projeto é emblemático porque vai ajudar a dar autonomia a regiões isoladas. “Queremos, muito em breve, ter todas as nossas fronteiras sendo abastecidas por meio dessa tecnologia que estamos desenvolvendo em conjunto”, disse. E complementou: “Todos os cientistas apontam que no fim deste século a energia que vai dominar o mundo será a solar. Veja que nós já estamos em 2016. E a tecnologia avança e caminha rápido”.

A diretora financeira executiva de Itaipu, Margaret Groff, explicou que inicialmente o projeto vai garantir uma economia em torno de R$ 30 mil por mês para o quartel. “Mas, mais do que isso, o importante é a segurança energética que esse sistema está trazendo e a experiência do uso da energia solar, já que é possível usar a energia solar de forma concomitante com a energia distribuída pelo sistema de abastecimento normal de energia.”

Margaret apontou outra vantagem do sistema, que não está limitado à energia solar. “O sistema é híbrido e pode usar energia eólica, hidrelétricas, diesel, biometano e geotérmica, entre outras, que possam surgir, porque estamos sempre inovando na área energética”, explicou.

O secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grudtner, diz que o Brasil já tem uma matriz basicamente limpa e renovável. “Mas o crescimento do consumo nos impunha utilizar mais energia. Consequentemente, dispor de tecnologias que a gente possa utilizar energia solar e eólica, além da hidráulica. Isso é um ponto importantíssimo para o País.”

Como funciona

Os inversores solares são conectados entre si e conectados a outro inversor master híbrido, com potência máxima de 125 kW, que é ligado à rede elétrica e a um banco de baterias, permitindo a gestão energética do sistema. Esse inversor é responsável por fazer o carregamento das baterias utilizando energia solar prioritariamente. No total, são doze baterias de sódio com acumulação de 282 kWh.

Vantagens a mais

O sistema é controlado por um software desenvolvido pela empresa suíça Ingrid, com a colaboração da Itaipu e FPTI. O equipamento possui como estratégia duas funções concomitantes, autonomia e economia. Na função autonomia, com a configuração de baterias atual, é possível fornecer carga ininterrupta por até duas horas, no caso de falta de insolação ou queda de energia na rede elétrica.
 
Já a função economia trabalha com o objetivo de reduzir ao máximo a conta de luz, utilizando os módulos solares e a carga das baterias para neutralizar a carga elétrica consumida, preservando reserva suficiente para não comprometer a função autonomia.

O sistema apresenta uma série de características inovadoras e de segurança, que o torna o primeiro nessa categoria instalado no Brasil. Entre elas está a utilização de baterias de sódio de alta potência, com imunidade à variação da temperatura e com alto grau de segurança, pois evita a ocorrência de explosões ou incêndios, e a operação no modo on grid e off grid (conectado ou não à rede de energia).

Veículo elétrico

Para compor o projeto-piloto, a Itaipu cedeu em comodato um veículo elétrico Renault Fluence Z e um eletroposto, que será ligado ao sistema de armazenamento de energia. O Fluence Elétrico possui motor elétrico de 70 kW de potência e um pack interno de baterias de lítio com 48 módulos, totalizando 22 kWh de energia disponível. O resultado é uma autonomia de até 185 km em condições normais de utilização.

O posto de recarga, montado pela equipe técnica da Itaipu, é capaz de fornecer energia para até dois veículos simultaneamente e poderá carregar o VE em aproximadamente 4 horas. O automóvel e o eletroposto serão monitorados pela plataforma mobi.me, desenvolvida pelo CEiiA, Centro de Tecnologia de Portugal.

O sistema permite acompanhar em tempo real os equipamentos, informando estado de carga, localização, velocidade e deslocamentos, além da quantidade de CO² com emissão evitada, entre outros indicadores.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14.000 MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, mais de 2,31 bilhões de MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de cerca de 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 75 % do Paraguai.

Desde 2003, Itaipu tem como missão empresarial “gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai”. A empresa tem ainda como visão de futuro chegar a 2020 como “a geradora de energia limpa e renovável com o melhor desempenho operativo e as melhores práticas de sustentabilidade do mundo, impulsionando o desenvolvimento sustentável e a integração regional”.



Outras coberturas especiais


Brasil - Rússia

Brasil - Rússia

Última atualização 14 DEZ, 13:00

MAIS LIDAS

Fronteiras