COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Naval

21 de Maio, 2014 - 10:30 ( Brasília )

Marinha leva esperança a comunidades do Amazonas durante a Operação “Ágata 8”


No dia 11 de maio, o Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) “Soares de Meirelles” levou esperança aos moradores das comunidades Moura e Vila do Remanso, no Amazonas, durante a oitava edição da Operação “Ágata”.

Foram realizados atendimentos médicos e odontológicos por militares da Marinha, e a emissão de documentos pessoais, por um papiloscopista da Polícia Civil. A equipe é complementada com médicos da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Foram realizados 226 procedimentos, dentre os quais: 41 atendimentos médicos e 11 odontológicos, a bordo do NAsH “Soares de Meirelles”, na Vila do Remanso; e os demais, na comunidade Moura, por meio do deslocamento da lancha do navio.

NAsH “Tenente Maximiano” atende ribeirinhos em suas próprias embarcações

No dia 6 de maio, o Navio de Assistência Hospitalar “Tenente Maximiano”, subordinado ao Comando da Flotilha de Mato Grosso, suspendeu do cais de Ladário (MS) em direção a cidade de Cáceres (MT), integrando a Operação “Ágata 8”.

Durante a travessia até o Estado vizinho, o “Tenente Maximiano” realizou atendimentos médicos e odontológicos às populações ribeirinhas de Barranco Vermelho, na calha do Rio Paraguai.

Cumprindo a nobre missão de levar saúde e qualidade de vida aos ribeirinhos da região do pantanal do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, as Ações Cívico-Sociais são de extrema importância para as famílias que vivem em locais isolados e de difícil acesso, e que, na maioria das vezes, têm a presença dos militares da Marinha como a única maneira de receber um atendimento de saúde adequado.

O NAsH “Tenente Maximiano” é reconhecido pela população ribeirinha como o “Navio da Esperança do Pantanal”, denotando sua importância para a região.

 

No dia 13 de maio, o Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) “Tenente Maximiano” realizou atendimentos médico-odontológicos em Simão Nunes (MS), no quilômetro 2.124 do Rio Paraguai.

Devido à recente cheia na área, a maior parte dos ribeirinhos buscou auxílio em suas embarcações, sem esperar que o navio abarrancasse na localidade. De forma inovadora, os médicos do “Tenente Maximiano” realizaram os atendimentos nas próprias embarcações, permitindo um tratamento mais ágil.
 

 

 



Outras coberturas especiais


Especial DitaBranda

Especial DitaBranda

Última atualização 16 DEZ, 11:30

MAIS LIDAS

Fronteiras