COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Terrestre

12 de Maio, 2014 - 10:10 ( Brasília )

Ágata 8 - Exército envia 450 militares à faixa de fronteira entre Mato Grosso e Bolívia

Reforço é parte da operação nacional Ágata 8, do Ministério da Defesa. Operação combate crimes como narcotráfico e contrabando de veículos.

O Exército Brasileiro está mobilizando 450 homens para reforçar a presença militar na fronteira entre Mato Grosso e o território boliviano desde a manhã deste sábado (10), manobra prevista nas ações da oitava edição da Operação Ágata, deflagrada pelo Ministério da Defesa em toda a faixa fronteiriça nacional.

Parte dos militares foi enviada em comboios do Segundo Batalhão de Fronteira do Exército em Cáceres, cidade a 250 km de Cuiabá, com apoio dos batalhões de Infantaria de Selva e das unidades militares de Engenharia.

O reforço foi informado pelo Ministério da Defesa aos países que fazem fronteira com o Brasil, como a Bolívia, para que a operação tivesse apoio das autoridades estrangeiras. Os militares também têm apoio das polícias Militar, Rodoviária Federal e Federal – posicionadas nos postos de fiscalização da fronteira.

Ao todo, a operação Ágata dispõe de 30 mil militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica em 122 cidades fronteiriças do Brasil. Em pouco mais de dois anos o Ministério da Defesa já havia comandado sete edições da operação.

Agora, com a proximidade da Copa do Mundo em 12 cidades-sedes brasileiras, inclusive a capital mato-grossense Cuiabá, o governo pretende reforçar sua presença militar para coibir crimes em função do previsto aumento de fluxo de pessoas e mercadorias entre o Brasil e os países vizinhos.

Entre as ocorrências que o Ministério da Defesa pretende combater na fronteira estão crimes ambientais, narcotráfico internacional e contrabando de veículos.

O mesmo foi feito por ocasião da Copa das Confederações no ano passado.

Este reforço em Mato Grosso também demandará envio de forças militares de Mato Grosso do Sul.  Conforme anunciou o Comando Militar do Oeste, com sede em Campo Grande (MS), cerca de 900 militares do estado vizinho devem ser mobilizados para Mato Grosso a fim de contribuir com a segurança da Copa do Mundo em mais uma ação integrante da operação Ágata.