COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Geopolítica

25 de Outubro, 2013 - 02:12 ( Brasília )

ARGENTINA – Aeronaves de NARCOS Operam livremente



 

Nota DefesaNet

A desestruturação das Forças Armadas Argentinas e da Gendarmeria (responsável) pelo controle de fronteiras na Argentina, poderá levar o Brasil a ser envolvido nos assuntos internos daquele país.

Em Novembro e Dezembro de 2012 uma aeronave E-99 (radar) do Esquadrão Harpia, da FAB operou em conjunto com a FAA, na Operação Fortin II, para controle da voos TAI (Tráfego Aéreo Irregular), no escudo norte. A cobertura para esta manobra, dita na oportunidade, foi de que era um teste pelo interesse da Argentina neste tipo de aeronave.

O Editor 

 

 Daniel Gallo
Jornal La Nación

 
Confrontado com as críticas generalizadas sobre o crescimento do tráfico de drogas no país, na última semana o governo decidiu implantar três aviões para buscar voos ilegais . Mas o material usado mostra a pobreza estrutural dos sistemas de defesa e segurança : dada a urgência, decidiu-se enviar aviões militares para o Norte, aeronaves que começaram a operar em 1978.

Sem outra opção disponível, os mais de 400 voos ilegais que a cada ano entram no país, principalmente a partir do Paraguai e também da Bolívia serão interceptadors por três T34 Turbo Mentor , aeronave de treinamento básico que a Armada Argentina adquiriu nos Estados Unidos e entrou em serviço há quase 40 anos. O T34 Turbo Mentor é um  monomotor,com instrumentação  limitada e a sua velocidade máxima de menos de 400 quilômetros por hora é insuficiente para superar os aviões narcos a serem perseguidos .

Na verdade, sua principal função é de treinamento básico de pilotos navais. A Força Aérea também operava modelos T34 , mas deu baixa há quatro anos.

O problema dos voos dos Narcos é tema de campanha eleitoral. A violência dos traficantes, evidenciada, por exemplo,  em muitas das mais de 190 mortes em Rosario, onde foi baleado em casa o governador de Santa Fe, Antonio Bonfatti , expôs o crescente perigo concreto. E área de entrada de drogas.

A oposição, em uma das poucas questões em que se unem a todos os grupos fora do governo , afirmou que quer a aprovação de uma lei para derrubar os vôos de drogas. A maioria do governo se recusou firmemente a abordar essa questão .

Na semana passada , porém, o presidente da Venezuela , Nicolas Maduro anunciou que caças F-16 abateram dois aviões narco que haviam se recusando a acompanhá-los.

Com os caças Mirage fora de serviço e aguardando a aprovação da compra de um esquadrão de Mirage F1, da Espanha, e os poucos caça A4AR operacionais estão comprometidos com o Exercício Multinacional CRUZEX, Brasil, o governo apelou para as veteranas aeronaves de treinamento da Armada.

Três das seis aeronaves, como os seus homólogos da Força Aérea modelo um pouco mais velho , foram dados baixa de serviço  há quatro anos.

Esse grupo de aviões já operou com a missão de verificar voos ilegais na fronteira norte (Chamado Arco Norte pelos argentinos), onde o governo nacional registrou mais de 800 Trânsitos Aereos Irregulares (TAI), desde julho de 2011 . Novas investigações da Gendarmeria foram capazes de estabelecer, que pelo menos 242 casos, esses voos estavam ligados ao tráfico de drogas. Mais de 121 toneladas de drogas entraram no país por via aérea. E os aviões realizam cada cada vez mais incursões ilegais ao sul, jogando a carga na forma de bombardeios no norte da capital Buenos Aires e na cidade de Rosário, dizem fontes policiais .

Há uma verdadeira  guerra de gangues, que cresceram fora  do controle  policial. Está tornando-se comum na justiça o termo "narco economia de subsistência", definindo , assim, famílias inteiras que encontram o seu sustento, participando de alguma forma da cadeia de comercialização.

Nos voos narco vem uma parte importante da droga que causa luta entre as gangues.

O Governo tentou alguns planos de para conter o narcotráfico, com sucesso relativo, mas ainda não tem uma política nacional sobre drogas. A Casa Rosada lançou nos dois últimos  anos as Operações Fortín (com radares aéreos), Escudo Norte (com grupos especiais da Gendarmeria na Fronteira Norte), Vigía (controles de estradas nos ônibus), Sentinela (6000 gendarmes transferidos para a Grande Buenos Aires) y Cinturão Sul (Gendarmeria e Prefeitura na cidade de Buenos Aires).
 
O governo afirma que cresceu em dez anos o número de policiais de 18.000 para 34.000. Embora esta força é discutido que dobrou a doação, mas também seis vezes atribuído missões
 .
Em outra decisão unilateral , o Governo lançou este ano o exército na luta contra o narcotráfico, independentemente das limitações da lei de segurança interna e de defesa (em particular , o regulamento de 2006), foram criadas patrulhas conjuntas  de doze soldados e três policiais para patrulhar as fronteiras.

O tráfico de drogas ficou em primeiro lugar na campanha eleitoral de Rosário, assim como  assassinatos, corrupção,e em Córdoba as drogas e a proliferação de voos ilegais